Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 23 de outubro de 2018.

Quinze anos de prisão para juiz que matou a companheira em Restinga Seca (RS)



Camera Press

Imagem da Matéria

Francisco e Madalena se conheceram pela internet

O juiz aposentado Francisco Eclache Filho, 69 de idade atual, foi condenado a 15 anos de prisão pelo assassinato da companheira Madalena Dotto Nogara, em 22 de julho de 2014. O júri ocorreu na quarta-feira (6), em Restinga Seca, na Região Central do RS. A pena temporal foi estabelecida pela juíza Juliana Tronco Cardoso, que presidiu o julgamento popular.

A condenação foi por homicídio qualificado, por motivo torpe. Segundo a denúncia do Ministério Público, “o acusado tinha ciúme doentio de Madalena”.

Como o magistrado está preso preventivamente desde o dia posterior ao crime, os quase quatro anos em que já passou em cárcere serão descontados da pena total. Não há trânsito em julgado. A defesa pode interpor apelação criminal ao TJRS

O juiz - que atuou no Tribunal de Justiça de Minas Gerais até 2010, quando então se aposentou - confessou ter alvejado Madalena com quatro tiros na cabeça, nas costas e no peito. Mas diz que os disparos foram acidentais.

O crime aconteceu 54 dias depois de os dois efetivarem sua união estável. O casal havia se conhecido um ano antes pela internet. Segundo familiares, Eclache proibiu a mulher de manter a rede social que tinha e restringiu as saídas e encontros de Madalena com os amigos e amigas dela.

Depois de cometer o crime, Eclache tentou fugir para Minas Gerais de carro, mas acabou saindo de pista no município de Osório, onde foi detido pela polícia. Foi levado a um hospital em Tramandaí, onde foi preso. No dia seguinte, com a decretação da prisão preventiva, foi levado para o Grupamento de Operações Especiais, em Porto Alegre, onde está desde 23 de julho de 2014.

O advogado Fábio André Adams dos Santos (OAB-RS nº 50.313), que defende o acusado, disse que pedirá a anulação do júri, pois “o julgamento se deu contrário à prova dos autos”. Para o defensor não há nenhum elemento capaz de comprovar que a morte da vítima se deu por ciúme ou possessividade.

Santos diz que “Eclache agiu em legítima defesa e isso ficou comprovado no laudo do IGP, pois os disparos só fora, efetuados, depois que a companheira disparou anteriormente”.

Outros detalhes

Uma das testemunhas ouvidas disse que, logo depois dos tiros, Eclache ligou para ela, na madrugada, dizendo que fizera "uma besteira" e que Madalena estaria morta.

No tal telefonema, o juiz aposentado informou que a mãe da vítima - que é debilitada e não caminha - estava em casa e que o portão e a porta dos fundos da residência estavam destrancados. A pessoa acionou a Brigada Militar que, ao chegar no local, encontrou munições deflagradas e uma arma ao lado do corpo da vítima, que estava sobre a cama. Segundo a perícia, a mulher foi atingida por três disparos de arma de fogo.  (Proc. nº 21400004830).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.