Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

A volta por cima do “negro de alma branca”



Reprodução da Folha de S. Paulo – 04.07.2013

Imagem da Matéria

Heraldo Pereira (à esquerda), da TV Globo, e Paulo Henrique Amorim, da TV Record

O blogueiro e apresentador Paulo Henrique Amorim terá, mesmo, de cumprir pena por ter chamado o jornalista Heraldo Pereira, da TV Globo, de "negro de alma branca". Em decisão do último dia 5, o ministro Luís Roberto Barroso – após ter fulminado o último recurso do réu - decretou o trânsito em julgado de decisão da 1ª Turma que condenou Amorim a um ano e oito meses de prisão por injúria racial.

A pena foi convertida em restrição a direitos. As informações são do saite Consultor Jurídico, em matéria assinada pela jornalista Ana Pompeu.

Para entender o caso

Num comentário, publicado em seu blog Conversa Afiada, Paulo Henrique Amorim escreveu em agosto de 2009, que o jornalista da Globo “não conseguiu revelar nenhum atributo para fazer tanto sucesso, além de ser negro e de origem humilde”.

 No mês seguinte, Heraldo encaminhou representação ao Ministério Público, que denunciou o blogueiro sob a acusação de racismo.

 No 1° grau, o magistrado da 4ª Vara Criminal de Brasília mudou a tipificação para injúria com caráter racial, tendo também extinto a ação por ter sido apresentada fora do prazo legal.

Em apelação, foram mantidas a absolvição parcial e a desclassificação do crime de racismo para o de injúria racial, reconhecendo-se, no entanto, a extinção da punibilidade pela decadência. Considerando a idade do blogueiro, mais de 70 anos, o prazo para a punibilidade seria de dois anos, e o acórdão condenatório foi publicado somente três anos depois.

 Além disso, a maioria da Câmara Criminal seguiu o entendimento do desembargador Roberval Belinati, segundo o qual o crime de injúria racial prescreve. De acordo com Belinati, injúria racial e racismo são crimes diversos, e a Constituição prevê que somente o racismo é imprescritível.

 Já no STJ, a pena ficou entendida como prescrita. Em recurso especial da acusação, foi reconhecida a imprescritibilidade da injúria racial, tanto monocraticamente quanto pela Turma, e os demais recursos não foram admitidos. Foi quando o caso foi remetido ao STF.

Em agosto de 2017 a 1ª Turma do Supremo, por unanimidade, manteve a condenação de Paulo Henrique Amorim à pena de 1 ano e 8 meses em regime aberto, mais multa, por prática de injúria racial.

Na recente decisão, Barroso apontou que "a Lei nº. 9.459/97, introduzindo o dispositivo da injúria racial, criou mais um delito no cenário do racismo, portanto, imprescritível, inafiançável e sujeito à pena de reclusão”. O ministro afirmou que, para se chegar à conclusão diversa do acórdão recorrido, seria necessária a análise da legislação infraconstitucional pertinente, o que é inviável em recurso extraordinário. (AC nº 4.216).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Prefeito vira réu em ação penal por fraude em concurso público

Fatos ocorreram no pequeno município gaúcho de Jacuizinho, com apenas 2.666 habitantes. Entre os réus estão a esposa do prefeito, o vice-prefeito, dois secretários municipais e suas esposas, o assessor jurídico, um técnico contábil e os sócios da empresa IDRH, responsável pelo concurso.