Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 16 de outubro de 2018.

A volta por cima do “negro de alma branca”



Reprodução da Folha de S. Paulo – 04.07.2013

Imagem da Matéria

Heraldo Pereira (à esquerda), da TV Globo, e Paulo Henrique Amorim, da TV Record

O blogueiro e apresentador Paulo Henrique Amorim terá, mesmo, de cumprir pena por ter chamado o jornalista Heraldo Pereira, da TV Globo, de "negro de alma branca". Em decisão do último dia 5, o ministro Luís Roberto Barroso – após ter fulminado o último recurso do réu - decretou o trânsito em julgado de decisão da 1ª Turma que condenou Amorim a um ano e oito meses de prisão por injúria racial.

A pena foi convertida em restrição a direitos. As informações são do saite Consultor Jurídico, em matéria assinada pela jornalista Ana Pompeu.

Para entender o caso

Num comentário, publicado em seu blog Conversa Afiada, Paulo Henrique Amorim escreveu em agosto de 2009, que o jornalista da Globo “não conseguiu revelar nenhum atributo para fazer tanto sucesso, além de ser negro e de origem humilde”.

 No mês seguinte, Heraldo encaminhou representação ao Ministério Público, que denunciou o blogueiro sob a acusação de racismo.

 No 1° grau, o magistrado da 4ª Vara Criminal de Brasília mudou a tipificação para injúria com caráter racial, tendo também extinto a ação por ter sido apresentada fora do prazo legal.

Em apelação, foram mantidas a absolvição parcial e a desclassificação do crime de racismo para o de injúria racial, reconhecendo-se, no entanto, a extinção da punibilidade pela decadência. Considerando a idade do blogueiro, mais de 70 anos, o prazo para a punibilidade seria de dois anos, e o acórdão condenatório foi publicado somente três anos depois.

 Além disso, a maioria da Câmara Criminal seguiu o entendimento do desembargador Roberval Belinati, segundo o qual o crime de injúria racial prescreve. De acordo com Belinati, injúria racial e racismo são crimes diversos, e a Constituição prevê que somente o racismo é imprescritível.

 Já no STJ, a pena ficou entendida como prescrita. Em recurso especial da acusação, foi reconhecida a imprescritibilidade da injúria racial, tanto monocraticamente quanto pela Turma, e os demais recursos não foram admitidos. Foi quando o caso foi remetido ao STF.

Em agosto de 2017 a 1ª Turma do Supremo, por unanimidade, manteve a condenação de Paulo Henrique Amorim à pena de 1 ano e 8 meses em regime aberto, mais multa, por prática de injúria racial.

Na recente decisão, Barroso apontou que "a Lei nº. 9.459/97, introduzindo o dispositivo da injúria racial, criou mais um delito no cenário do racismo, portanto, imprescritível, inafiançável e sujeito à pena de reclusão”. O ministro afirmou que, para se chegar à conclusão diversa do acórdão recorrido, seria necessária a análise da legislação infraconstitucional pertinente, o que é inviável em recurso extraordinário. (AC nº 4.216).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.

Dois advogados condenados por organização criminosa

As penas somadas chegam a 55 anos de reclusão. Após o ajuizamento de milhares de ações, os acusados apropriavam-se ilicitamente de valores pagos a título de acordo com a parte contrária, ou após indenização por sentença judicial.

MPF pede nova condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Pedido foi feito, ontem (4), em Curitiba, em ação penal que trata do terreno para o Instituto Lula. As razões finais de acusação abordam o “esquema criminoso de desvio de recursos públicos destinados a enriquecer ilicitamente". Defesa do ex-presidente diz, em nota, que o ex-presidente será absolvido quando for julgado por um "juiz imparcial, isento e independente".