Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Validade da cobrança simultânea de honorários contratuais e assistenciais



Já está publicado o acórdão da 8ª Turma do TRT-4 que reverteu sentença oriunda da Justiça do Trabalho de Novo Hamburgo (RS), em ação relativa à cobrança cumulativa de honorários assistenciais e honorários contratuais. Em primeiro grau, fora de procedência uma ação civil pública do Ministério Público do Trabalho contra os advogados Álvaro Klein e Everson Gross e contra o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metal Mecânica e de Material Elétrico de Novo Hamburgo.

Conforme o MPT-T, os dois profissionais da advocacia teriam praticado conduta ilícita e cobrado, ilegalmente, honorários cumulativos. A tese da petição inicial era a de violação do instituto da assistência jurídica gratuita, por meio da cobrança simultânea de honorários assistenciais e advocatícios contratuais dos trabalhadores assistidos pelo sindicato.

A sentença acolheu parcialmente os pedidos, condenando os réus ao pagamento de reparação por danos morais coletivos. Além disso, condenou o sindicato a prestar assistência jurídica integral, sob pena de multa de R$ 5 mil por trabalhador prejudicado. E os advogados tinham condenados a se absterem da cobrança de honorários contratuais de empregados assistidos pelo sindicato e, como tal, beneficiários de assistência jurídica gratuita.

Leia a íntegra do acórdão.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.