Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.

Validade da cobrança simultânea de honorários contratuais e assistenciais



Já está publicado o acórdão da 8ª Turma do TRT-4 que reverteu sentença oriunda da Justiça do Trabalho de Novo Hamburgo (RS), em ação relativa à cobrança cumulativa de honorários assistenciais e honorários contratuais. Em primeiro grau, fora de procedência uma ação civil pública do Ministério Público do Trabalho contra os advogados Álvaro Klein e Everson Gross e contra o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metal Mecânica e de Material Elétrico de Novo Hamburgo.

Conforme o MPT-T, os dois profissionais da advocacia teriam praticado conduta ilícita e cobrado, ilegalmente, honorários cumulativos. A tese da petição inicial era a de violação do instituto da assistência jurídica gratuita, por meio da cobrança simultânea de honorários assistenciais e advocatícios contratuais dos trabalhadores assistidos pelo sindicato.

A sentença acolheu parcialmente os pedidos, condenando os réus ao pagamento de reparação por danos morais coletivos. Além disso, condenou o sindicato a prestar assistência jurídica integral, sob pena de multa de R$ 5 mil por trabalhador prejudicado. E os advogados tinham condenados a se absterem da cobrança de honorários contratuais de empregados assistidos pelo sindicato e, como tal, beneficiários de assistência jurídica gratuita.

Leia a íntegra do acórdão.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Elogiáveis relações entre advogado e juiz

Verdades e gentilezas numa petição por esquecer de comparecer a uma audiência. E a distinção no despacho judicial:“Que o exemplo sirva às novas gerações de advogados!”.

TRT-RS reconhece a cobrança cumulativa de honorários contratuais e assistenciais

Julgado reverte sentença, em ação civil pública, que condenara dois advogados e um sindicato a pagarem reparação (R$ 100 mil) por dano moral coletivo e a cumprirem obrigações de fazer e obrigações de não fazer. Acórdão salienta que “se a lei não veda a possibilidade de cobrança de honorários contratuais, não compete ao Poder Judiciário determinar a proibição da pactuação livre e sem vícios”.

STJ divulga teses sobre honorários

Os créditos resultantes de honorários advocatícios ostentam natureza alimentar e detêm privilégio geral em concurso de credores, mesmo em sede de execução fiscal, equiparando-se ao crédito trabalhista.