Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 20 de novembro de 2018.

Provimento do CNJ disciplina o uso de e-mails funcionais por magistrados



Magistrados e servidores do Poder Judiciário devem observar, a partir de hoje, restrições na utilização de seus e-mails institucionais. A determinação é do novo corregedor-nacional de justiça, João Otávio Noronha.

Provimento (nº 71) baixado por ele na última quarta-feira (13) e que hoje (15) está chegando ao conhecimento de todos os tribunais brasileiros estabelece que “o magistrado deve utilizar o e-mail funcional exclusivamente para a execução de atividades institucionais, preservando o decoro pessoal e tratando, com urbanidade, não só os destinatários das mensagens, mas também os terceiros a que elas façam referência”.

Leia os principais comandos do provimento

· A liberdade de expressão, como direito fundamental, não pode ser utilizada pela magistratura para afastar a proibição constitucional do exercício de atividade político-partidária (CF/88, art. 95, parágrafo único, III).

· A vedação de atividade político-partidária aos membros da magistratura não se restringe à prática de atos de filiação partidária, abrangendo a participação em situações que evidenciem apoio público a candidato ou a partido político.

· A vedação de atividade político-partidária aos magistrados não os impede de exercer o direito de expressar convicções pessoais, desde que não seja objeto de manifestação pública que caracterize, ainda que de modo informal, atividade com viés político-partidário.

· Não caracteriza atividade político-partidária a crítica pública dirigida por magistrado, entre outros, a ideias, ideologias, projetos legislativos, programas de governo, medidas econômicas. São vedados, contudo, ataques pessoais a candidato, liderança política ou partido político com a finalidade de descredenciá-los perante a opinião pública, em razão de ideias ou ideologias de que discorde o magistrado, o que configura violação do dever de manter conduta ilibada e decoro.

· É dever do magistrado ter decoro e manter ilibada conduta pública e particular que assegure a confiança do cidadão, de modo que a manifestação de posicionamento, inclusive em redes sociais, não deve comprometer a imagem do Poder Judiciário nem violar direitos ou garantias fundamentais do cidadão (da CF/88, art. 37, caput, e Lei Complementar nº. 35, de 14 de março de 1979, art. 35, VIII).

· O magistrado deve agir com reserva, cautela e discrição ao publicar seus pontos de vista nos perfis pessoais nas redes sociais, evitando a violação de deveres funcionais e a exposição negativa do Poder Judiciário.

· O magistrado deve evitar, nos perfis pessoais nas redes sociais, pronunciamentos oficiais sobre casos em que atuou, sem prejuízo do compartilhamento ou da divulgação, por meio dos referidos perfis, de publicações constantes de saites institucionais ou referentes a notícias já divulgadas oficialmente pelo Poder Judiciário.

· O magistrado deve evitar, em redes sociais, publicações que possam ser interpretadas como discriminatórias de raça, gênero, condição física, orientação sexual, religiosa e de outros valores ou direitos protegidos ou que comprometam os ideais defendidos pela CF/88.

· O magistrado deve utilizar o e-mail funcional exclusivamente para a execução de atividades institucionais, preservando o decoro pessoal e tratando, com urbanidade, não só os destinatários das mensagens, mas também os terceiros a que elas façam referência.

Leia a íntegra do provimento


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Liminares para soltar criminosos custavam de R$ 70 mil a R$ 500 mil

Acórdão do CNJ revela os anúncios e as negociações, nas redes sociais, para soltar criminosos.  O desembargador Carlos Feitosa, do TJ do Ceará, concedeu 20 liminares em habeas corpus em dois plantões. Após, o filho do magistrado festejou: “O carcereiro está trazendo as chaves, bem como o fim dos trabalhos, com 100% de êxito, estando feliz por ter ajudado os amigos”.