Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Indenização para casal que penou na CEF: “perda do tempo útil”



O Tribunal Regional Federal da 4ª Região condenou, por unanimidade, a Caixa Econômica Federal a pagar reparação por danos morais por ‘perda do tempo útil’ a um casal de mutuários do Programa Minha Casa Minha Vida, de Joinville (SC).

Os mutuários André Pogan e Emily Steuernagel Pogan tiveram valores acima do contrato de financiamento debitados automaticamente pelo banco e precisaram recorrer à Justiça para corrigir o cálculo, com o estorno do que lhes fora cobrado a mais. Em primeiro grau, a sentença foi de parcial procedência.

A reforma parcial do julgado ocorreu em sessão da 3ª Turma realizada dia 5 de junho. Conforme a relatora, desembargadora federal Vânia Hack de Almeida, “a perda do tempo útil dos autores, ocorrida em decorrência da conduta negligente da instituição financeira, constitui dano moral à luz da teoria do Desvio Produtivo do Consumidor”.

Segundo essa teoria, o dano ocorre quando o consumidor, diante de uma situação de mau atendimento, precisa desperdiçar o seu tempo e deixar uma atividade necessária, ou por ele preferida, para tentar resolver um problema criado pelo fornecedor.

Financeiramente, porém, a indenização é pífia. A Caixa terá que pagar (apenas) R$ 2 mil corrigidos desde a data em que os autores tiveram seus nomes inscritos nos cadastros restritivos de crédito por não terem na conta o valor debitado pelo banco, que excedia o avençado no contrato.

A cifra deferida no julgado é inferior à metade do que cada magistrado brasileiro recebe, todos os meses, a título de auxílio-moradia.

A honorária será de 10% sobre o valor da condenação. (Proc. nº 5008794-42.2016.4.04.7201).

Leia o voto da relatora


Comentários

Eliakim Seffrin Do Carmo - Advogado 20.06.18 | 16:42:30

Essas indenizações irrisórias são um absurdo. Esse valor a CEF vai "levantar" em 5 min, debitando indevidamente na conta de algum outro consumidor ou, pior, descontará centavos da conta de inúmeras pessoas. Por isso é que vale a pena para as grandes empresas ignorar o consumidor: os danos morais serão minúsculos, para não "enriquecer" aqueles que tiveram o direito violado.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Abjeta exposição do corpo de idosa falecida

TJRS condena a Funerária Venâncio e um seu ex-empregado - este, autor de um estarrecedor ´selfie´ - a indenizarem familiares de pessoa que teve seu corpo nu exposto em grupo de WhatsApp.

Morosidade judicial absurda e abusiva

STJ condena o Estado do Amazonas a indenizar vítimas de delonga jurisdicional excessiva. Em uma ação de execução de alimentos para duas crianças, o despacho inicial de citação do devedor demorou dois anos e meio.

Dano moral em rompimento de noivado

O STJ vai analisar se cabe, ou não, pagamento de reparação financeira por dano extrapatrimonial em caso de cancelamento do casamento programado para data próxima.