Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Sem acordo na AGU, auxílio-moradia para juízes não terá mudanças neste ano



Chargista Duke – DomTotal.com

Imagem da Matéria

 Auxílio-moradia vai ficar por isso mesmo...

O fim das negociações entre as entidades de magistrados e procuradores com a Advocacia-Geral da União para fechar um acordo sobre o pagamento de auxílio-moradia para juízes e membros do Ministério Público explicitou o cenário de impasse que marcou as reuniões comandadas pela ministra da AGU, Grace Mendonça. E uma solução, mesmo pela via judicial, não deve ocorrer neste ano – segundo revela o jornal O Globo, em sua edição desta quinta-feira (21). Assim, vai sendo mantido o pagamento do benefício, sem mudanças – como muita gente quer...

O relatório da AGU, enviado ao ministro Luiz Fux, relator das ações no STF, deixa claro que as partes, inclusive a União, nunca abriram mão de suas posições já manifestadas nos processos que estavam na pauta da Suprema Corte. Foi quando, oportunisticamente, a Associação dos Magistrados Brasileiros pediu para que o julgamento fosse adiado para se tentar um acordo.

As soluções defendidas pela magistratura e pelo MP são o aumento do teto salarial do funcionalismo público de modo a incorporar o auxílio-moradia (R$ 4.377 por mês); ou a criação de um novo benefício que resultaria em aumento nos rendimentos dessas duas categorias por tempo de serviço.

No primeiro caso, seria necessário o STF encaminhar ao Congresso um projeto de lei pedindo o reajuste do salário dos ministros do Supremo (é o que Dias Toffoli, futuro presidente do STF quer fazer a partir de outubro), que elevaria o salário da magistratura e do MP. No segundo caso, seria necessário o Congresso aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC).

 O custo milionário... e o jeito das tartarugas

Só em abril - últimos dados públicos sobre pagamentos a magistrados, disponibilizado no saite do CNJ) - foram pagos R$ 73,5 milhões de “auxílio-moradia” para os juízes e desembargadores de todos os tribunais do país. Ou seja, nos três meses em que o benefício ficou em negociação na AGU, os cofres públicos já arcaram com mais de R$ 220 milhões.

Detalhe a lembrar: o ministro Luiz Fux só pautou o caso quase quatro anos depois de conceder liminares, autorizando toda a magistratura nacional a receber o auxílio-moradia. Como a tendência era a de que o STF derrubasse as liminares – assim brecando os pagamentos - as entidades de classe pediram a retirada de pauta.

O relator concordou.

 As tartarugas em outra frente

É lenta a resposta de diversos tribunais brasileiros à iniciativa do Conselho Nacional de Justiça para impor às cortes estaduais, eleitorais e trabalhistas um mínimo de clareza sobre as folhas de pagamentos. Até quarta-feira (dia 20), 80 tribunais dos 93 supervisionados haviam transmitido as planilhas sobre os pagamentos de maio de 2018 a juízes e desembargadores.

Faltam as respostas de 13. São os Tribunais de Justiça de Bahia, Amapá, Rio Grande do Norte e Piauí; os Tribunais Regionais Eleitorais de São Paulo, Pará, Acre, Mato Grosso do Sul e Tocantins; e os Tribunais Regionais do Trabalho do Pará e de Amapá, Maranhão e Mato Grosso do Sul.

Ainda bem, todos com sede no RS responderam.

A Lei de Transparência, que obriga a divulgação dos gastos, já tem nove anos de vigência. A Lei de Acesso à Informação, seis anos. Mas somente no último triênio o CNJ resolveu determinar o envio dos dados de forma compreensiva e no mesmo padrão de acessibilidade.

 Uma causa em família

Filho do ex-governador Sérgio Cabral – condenado a mais de 100 anos de prisão - o deputado federal Marco Antonio Cabral (MDB-RJ) reapresentou na última terça-feira (19) um projeto de lei que prevê a remição de pena a presos que se dedicarem à leitura.

Entre os acréscimos há, agora, também a benesse de encurtamento do tempo de cárcere a quem ler um ou mais dos 66 livros da Bíblia.

A proposta aumenta o abatimento da pena do condenado que estudar ou trabalhar, e inclui na legislação esse benefício para a leitura – que, atualmente, é apenas uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça. Para virar lei, o projeto precisa ser aprovado nas comissões e no plenário da Câmara e ainda tramitar no Senado. Por ali, nada problemático...

O que Marco Antônio Cabral quer é aumentar o desconto da pena de um para quatro dias a cada 12 horas de frequência escolar ou requalificação profissional; e de quatro dias de pena a cada um dia de trabalho. Atualmente, a Lei de Execução Penal estabelece a remição de um dia de pena a cada três dias de trabalho.


Comentários

Olinda Fagundes De Paula - Adogada 23.06.18 | 08:21:03

Entendo que seria justa tal benesse, mas enquanto estivesse o juiz desempenhando as suas funções fora de sua comarca. O que vemos são corporativismos oportunistas, incompatíveis com a integridade que se espera do Judiciário, quando na sua maioria, possuem vários imóveis, conforme declarou o Des. Manoel Queiroz Pereira Calças, presidente do TJ/SP: "Eu recebo [o auxílio-moradia] e tenho vários imóveis". Moral, “O demônio é mais diabólico quando é respeitável”. (Robert Browning).

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Armário da comarca: sete anos e meio de lentidão processual em ação penal que tem 25 denunciados por fraude contra o Banrisul.

 Armário da corte: o triste atropelamento de 17 ciclistas e uma ação penal que teima em não terminar.

 Sinal vermelho da Environment Justice Atlas sobre Porto Alegre: precariedade da mobilidade urbana e demora na solução judicial.

 Corregedor nacional da justiça apõe intrigante segredo de justiça no pedido de providências sobre o plantão do TRF-4 que quase soltou Lula.

STF suspende cobrança abusiva de 40% pelos planos de saúde

· Na decisão, Cármen Lúcia afirma que “saúde não é mercadoria, vida não é negócio, e dignidade não é lucro”.

· Auxílio-maternidade a uma mulher que adotou menina de 12 anos.

· Franklin Martins, envolvido no sequestro do embaixador Charles Burke Elbrick, poderá estar na equipe de Dias Tóffoli na presidência do STF.

· Custódia do notebook apreendido na residência do empresário Henrique Constantino, um dos fundadores da Gol.

Reflexos e rescaldos de um plantão controvertido

• AJUFE não defenderá Favreto se ele for denunciado por prevaricação. Na eventual ação penal cabem transação penal e suspensão condicional da pena.

 Das redes sociais: “Outrora atribuída a advogados desqualificados, nosso país acaba de criar a figura do desembargador de porta de cadeia”.

 O “tríplice milagre” realizado por Lula.

•  “Rádio-corredor” forense anuncia candidato de oposição às eleições da OAB-RS. Mas o objetivo é 2021.

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4

• O Espaço Vital pediu a opinião de 20 advogados sobre a confusão jurídica do domingo. Entre as respostas, veio à baila o ensaio da Grécia antiga: “Ne sutor ultra crepidam”.

 Google vence Xuxa definitivamente. Insucesso da ação que buscava a remoção de imagens e links a quem digitasse, no mecanismo de buscas, o nome da apresentadora e “pedófila”.

 Clamor feminista pretende que a OAB passe a chamar-se Ordem da Advocacia do Brasil. Sonho que fica para 2019 ou 2020.

• Só uma seccional estadual da OAB tem, atualmente, mais advogadas do que advogados.

 Mas as estagiárias já são maioria, na estatística nacional.

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030

 Facchin indefere o pedido para que o Senado analise o impeachment do ministro colega. E a PGR não vai recorrer.

 Novo round no julgamento do caso que gerou a acusação de suposta corrupção no TJ de Santa Catarina: ontem, o voto- vista do vogal.

 Advogado gaúcho analisa supremas incoerências recentes do STF

Indenização para Luciano Huck por uso indevido de seu nome em lançamento imobiliário

 Decisão do STJ confirma a condenação da Cipesa, construtora de luxuoso empreendimento residencial em São Paulo, mas isenta a imobiliária que fez a comercialização.

 Conselho Seccional da OAB-RS exclui mais três advogados.

 A internacional Environment Justice Atlas aponta conflitos socioambientais em três casos no RS: um deles é a demora da Justiça gaúcha em decidir o caso do atropelamento coletivo de 17 ciclistas.

 Os gols financeiros que os planos de saúde festejam durante a Copa do Mundo.