Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 16 de novembro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Sem acordo na AGU, auxílio-moradia para juízes não terá mudanças neste ano



Chargista Duke – DomTotal.com

Imagem da Matéria

 Auxílio-moradia vai ficar por isso mesmo...

O fim das negociações entre as entidades de magistrados e procuradores com a Advocacia-Geral da União para fechar um acordo sobre o pagamento de auxílio-moradia para juízes e membros do Ministério Público explicitou o cenário de impasse que marcou as reuniões comandadas pela ministra da AGU, Grace Mendonça. E uma solução, mesmo pela via judicial, não deve ocorrer neste ano – segundo revela o jornal O Globo, em sua edição desta quinta-feira (21). Assim, vai sendo mantido o pagamento do benefício, sem mudanças – como muita gente quer...

O relatório da AGU, enviado ao ministro Luiz Fux, relator das ações no STF, deixa claro que as partes, inclusive a União, nunca abriram mão de suas posições já manifestadas nos processos que estavam na pauta da Suprema Corte. Foi quando, oportunisticamente, a Associação dos Magistrados Brasileiros pediu para que o julgamento fosse adiado para se tentar um acordo.

As soluções defendidas pela magistratura e pelo MP são o aumento do teto salarial do funcionalismo público de modo a incorporar o auxílio-moradia (R$ 4.377 por mês); ou a criação de um novo benefício que resultaria em aumento nos rendimentos dessas duas categorias por tempo de serviço.

No primeiro caso, seria necessário o STF encaminhar ao Congresso um projeto de lei pedindo o reajuste do salário dos ministros do Supremo (é o que Dias Toffoli, futuro presidente do STF quer fazer a partir de outubro), que elevaria o salário da magistratura e do MP. No segundo caso, seria necessário o Congresso aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC).

 O custo milionário... e o jeito das tartarugas

Só em abril - últimos dados públicos sobre pagamentos a magistrados, disponibilizado no saite do CNJ) - foram pagos R$ 73,5 milhões de “auxílio-moradia” para os juízes e desembargadores de todos os tribunais do país. Ou seja, nos três meses em que o benefício ficou em negociação na AGU, os cofres públicos já arcaram com mais de R$ 220 milhões.

Detalhe a lembrar: o ministro Luiz Fux só pautou o caso quase quatro anos depois de conceder liminares, autorizando toda a magistratura nacional a receber o auxílio-moradia. Como a tendência era a de que o STF derrubasse as liminares – assim brecando os pagamentos - as entidades de classe pediram a retirada de pauta.

O relator concordou.

 As tartarugas em outra frente

É lenta a resposta de diversos tribunais brasileiros à iniciativa do Conselho Nacional de Justiça para impor às cortes estaduais, eleitorais e trabalhistas um mínimo de clareza sobre as folhas de pagamentos. Até quarta-feira (dia 20), 80 tribunais dos 93 supervisionados haviam transmitido as planilhas sobre os pagamentos de maio de 2018 a juízes e desembargadores.

Faltam as respostas de 13. São os Tribunais de Justiça de Bahia, Amapá, Rio Grande do Norte e Piauí; os Tribunais Regionais Eleitorais de São Paulo, Pará, Acre, Mato Grosso do Sul e Tocantins; e os Tribunais Regionais do Trabalho do Pará e de Amapá, Maranhão e Mato Grosso do Sul.

Ainda bem, todos com sede no RS responderam.

A Lei de Transparência, que obriga a divulgação dos gastos, já tem nove anos de vigência. A Lei de Acesso à Informação, seis anos. Mas somente no último triênio o CNJ resolveu determinar o envio dos dados de forma compreensiva e no mesmo padrão de acessibilidade.

 Uma causa em família

Filho do ex-governador Sérgio Cabral – condenado a mais de 100 anos de prisão - o deputado federal Marco Antonio Cabral (MDB-RJ) reapresentou na última terça-feira (19) um projeto de lei que prevê a remição de pena a presos que se dedicarem à leitura.

Entre os acréscimos há, agora, também a benesse de encurtamento do tempo de cárcere a quem ler um ou mais dos 66 livros da Bíblia.

A proposta aumenta o abatimento da pena do condenado que estudar ou trabalhar, e inclui na legislação esse benefício para a leitura – que, atualmente, é apenas uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça. Para virar lei, o projeto precisa ser aprovado nas comissões e no plenário da Câmara e ainda tramitar no Senado. Por ali, nada problemático...

O que Marco Antônio Cabral quer é aumentar o desconto da pena de um para quatro dias a cada 12 horas de frequência escolar ou requalificação profissional; e de quatro dias de pena a cada um dia de trabalho. Atualmente, a Lei de Execução Penal estabelece a remição de um dia de pena a cada três dias de trabalho.


Comentários

Olinda Fagundes De Paula - Adogada 23.06.18 | 08:21:03

Entendo que seria justa tal benesse, mas enquanto estivesse o juiz desempenhando as suas funções fora de sua comarca. O que vemos são corporativismos oportunistas, incompatíveis com a integridade que se espera do Judiciário, quando na sua maioria, possuem vários imóveis, conforme declarou o Des. Manoel Queiroz Pereira Calças, presidente do TJ/SP: "Eu recebo [o auxílio-moradia] e tenho vários imóveis". Moral, “O demônio é mais diabólico quando é respeitável”. (Robert Browning).

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A última de Brasília: Temer embaixador na Transilvânia

   A figura do vampiro é bastante presente no imaginário popular e no cinema. O “morto-vivo” está fartamente inserido na cultura política.

  Trocando seis por meia dúzia: depois do “auxílio-moradia”, a gestação do “acréscimo por tempo de serviço”.

  Dicionários on line incorporam a expressão “penduricalho”: equivale a balangandan.

   A diferença entre o salário mínimo e o rendimento médio do trabalhador brasileiro está cada vez MENOR. Mas o aumento para a magistratura está a caminho.

Facebook e Twitter respondem ao TSE que Bolsonaro nada pagou para o incremento da campanha nas vias virtuais

  Leia a síntese das respostas que as duas empresas enviaram ontem (12) ao TSE.

  Saindo da pilha do TJRS: afinal ainda este mês, ou em dezembro, o julgamento da ação penal sobre o múltiplo atropelamento de ciclistas.

  “Erro de cadastramento” tinha chancelado a tramitação da apelação com segredo de justiça.

  A explicação sobre os “excelentíssimos cheques” para 23 magistrados e 16 pensionistas do STM.

“As membras e membros celebram o papel que o MPF...”

 A Associação Nacional dos Procuradores da República manifesta por escrito a defesa da igualdade de gênero, com rechaço às intolerâncias.

 E a lei encomendada por Dilma que queria ser chamada de “a presidenta” ainda está em vigor.

• 36.383 novas vagas em cursos de Direito, só este ano.

• Ministério de Bolsonaro já tem a sua musa. É a “Musa do Veneno”.

Os tentáculos da poderosa confederação e seus efeitos em Porto Alegre

 Tal como em 2002, a eliminação do Grêmio numa pantomima de cartas marcadas.

 O trabalho de quatro advogados gaúchos e um uruguaio na legítima tentativa de reverter a interferência externa.

 A visão vermelha do presidente da FGF e sua aversão ao azul.

 As muitas contratações erradas do Grêmio e a estranha insistência com Bressan, Marcelo Oliveira e Douglas.

Oito dias épicos em Curitiba: Lula, os dois Odebrecht, Leo Pinheiro, Bumlai e o advogado Roberto Teixeira frente à frente com Sérgio Moro.

 Série de audiências da ação penal do caso do sítio de Atibaia será de 5 a 14 de novembro.

 Depois a sentença do caso começa a ser preparada – sem sabor de pizza.

 Saiba porque será difícil que Bolsonaro consiga extraditar Cesare Battisti.

  A última viagem presidencial de Michel Temer será a ... Marrocos!

  Duas mulheres na chapa de Ricardo Breier às eleições da OAB-RS.