Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

O “Livro do Juiz”



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O juiz é um cidadão circunspecto, eventualmente grave, que, às vezes, trata seus auxiliares com rispidez. A comarca em que, há quatro meses atua o “Doutor Inclemente” – chamemos assim - tem por sede uma cidade tipicamente interiorana, hábitos germânicos.

O operoso mas inculto oficial de justiça que serve o juiz observa que o meritíssimo nunca deixa de andar com um livro nas mãos, ou debaixo do braço. Inclusive nas ocasiões protocolares. A obra tem, na capa, letras graúdas: VADE MECUM.

Aquele título desconhecido deixa o servidor judicial intrigado. Por várias vezes, dispõe-se a perguntar o signi?cado daquelas duas palavras, mas a sisudez do magistrado deixa o oficial inibido. Até que, captando um momento raro de descontração, toma coragem e faz a pergunta direta: “Doutor, o que signi?ca ´Vade Mecum´”?

Tomado de surpresa, o magistrado empertiga-se e responde incisivamente: “Em latim jurisdicional significa O Livro do Juiz”.

O oficial de justiça não se dá por satisfeito e se põe a campo, na lenta internet do foro, pesquisando sobre “Vade Mecum”.

Na semana seguinte, convocado para acompanhar o meritíssimo em uma inspeção judicial, o servidor observa que o magistrado está, como sempre, com o livro às mãos. Aproveita, então, um momento, no trajeto feito em automóvel oficial, para ponderar, respeitosamente: “Penso, doutor, que o senhor tenha se equivocado ao me dizer que ´Vade Mecum´ é o livro do juiz”.

Como aparentemente o magistrado desdenhe a observação, o oficial de justiça abre a pasta e lê suas anotações: “Vade Mecum é uma denominação, conhecida desde o Século 15, para qualquer livro de referência de uso muito frequente e que instrui o leitor a fazer determinadas tarefas rotineiras. A origem é uma expressão latina que significa ´Vem Comigo´ ou ´Vai Comigo´, onde ´vade´ é ´vai´ em português, e mecum significa ´comigo´".

O oficial de justiça faz uma pausa e complementa: “Existem também Vade Mecuns sobre os domínios da doutrina social da Igreja, de pensamentos políticos, de doutrinas de segurança e até de defesa. E mais modernamente, tem outros formatos, em mídia eletrônica, como são o Vade Mecum para o iPhone, iPad, iPod touch, ou mesmo para aparelhos com o sistema Android”.

Fez-se então silêncio. Do dia seguinte em diante, nunca mais o juiz apareceu com o “Vade Mecum” às mãos. Passou a conduzir a Constituição Federal.

Não há controvérsias.


Comentários

Leônidas Nogueira De Souza - Advogado 26.06.18 | 10:25:33

Desde o momento em que descobri o Espaço Vital, e li os artigos publicados, abracei com todas as forças as suas publicações. Artigos sérios, muito interessantes e, por vezes, engraçados. Apreciei tanto, que, vez ou outra, distribuo entre amigos. Prossigam com esse desiderato!

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer. 

Charge de Gerson Kauer

O perdão judicial

 

O perdão judicial

O que acontece, em média comarca gaúcha, quando o rígido e formal juiz descobre que ele e a esposa estão sendo espionados por um voyeur - cuja “arma” é uma verruma. O interrogatório sumário, a decisão de prender o abelhudo e a remissão de culpa – com a ordem de que o acusado sumisse imediatamente. O texto é do desembargador aposentado (TJRS) Vasco Della Giustina.