Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Recurso contra condenação que trata apenas de honorários advocatícios não exige depósito recursal



A 7ª Turma do TST afirmou ser desnecessária a exigência de recolhimento do depósito recursal em condenação ao pagamento de honorários advocatícios. Segundo a Instrução Normativa nº 27/2005 da corte, o depósito é exigível quando houver condenação em pecúnia, o que, para a Turma, não era o caso.

O recurso examinado teve origem em ação em que o Sindicato das Empresas de Locação de Bens Móveis do Estado do Rio Grande do Sul (Sindloc/RS) postulava o pagamento de contribuições assistenciais entre 2011 e 2015, que seriam devidas pela empresa Transportes Ramar Ltda.

A sentença afirmou que a ação não decorria de relação de emprego. Por isso o resultado foi de improcedência do pedido, daí resultando o sindicato ao pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios.

Ao recorrer da decisão, o Sindloc/RS recolheu apenas as custas, e o recurso foi considerado deserto pela ausência do depósito. Para o TRT da 4ª Região (RS), “não foi preenchido um dos requisitos de admissibilidade do recurso”.

No recurso ao TST, o Sindloc sustentou que seria desnecessário o recolhimento. Segundo a tese da entidade, “a condenação ao pagamento de honorários não se caracteriza como condenação em pecúnia, pois os valores não são destinados à parte, mas ao seu representante em juízo”.

O relator, ministro Vieira de Mello Filho concordou: “Os honorários não se inserem na quantia a ser recebida pela parte vencedora e não são objeto de depósito recursal, pois são devidos exclusivamente ao advogado constituído nos autos”.

Por unanimidade, a Turma deu provimento ao recurso para afastar a deserção. Os autos retornam ao TRT-4 para que haja o prosseguimento no julgamento do recurso ordinário.

Na defesa do sindicato atua a advogada Vanessa de Quadros. Em nome da empresa atua o advogado Denilson José da Silva Prestes. (RR nº 20385-65.2016.5.04.0003 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Bruno Galvão

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

 

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

Caso envolve a relação empregatícia de 20 anos de um trabalhador com a Unimed Federação das Cooperativas. O acórdão do TRT-4 (RS) cassa a exigência de valores líquidos dos pedidos. Julgador lamenta as “últimas várias condenações milionárias de trabalhadores em honorários advocatícios, que são um claro recado para que as pessoas pensem duas vezes antes de entrar com ação na Justiça do Trabalho”.

Danos morais coletivos causados por sindicato contra 1.500 trabalhadores

Cobrança irregular de honorários pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Roraima. A ação de conhecimento, que tramita há 28 anos, trata da classificação de cargos e diferenças salariais. A controvérsia sobre a verba advocatícia é de cerca de R$ 20 milhões.