Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Justiça pelos próprios gritos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É pura ficção da “rádio-corredor” forense. O cidadão cinquentão, divorciado, estressado pelo excesso de trabalho, vai em busca de serviços sexuais pagos e, na conjunção, se envolve com dois sujeitos adeptos da cirurgia e do tratamento hormonal para mudar de sexo.

“São pobres transexuais” – diria uma advogada feminista. “São dois que, outrora, chamaríamos de travestis” – oporia um médico legista.

Radicalismos à parte, o certo – o errado, aliás - é que o cidadão aceita experimentar além daquilo que originalmente busca. O preço é alto, o programa se completa, no final o cliente não dispõe da grana toda em espécie. Mas, invocando sua honorabilidade, propõe mandar, no dia seguinte, um assessor levar o dinheiro. “Amanhã, cash!” – como convém.

Os prestadores do serviço dão dois votos de confiança e concedem o crédito temporário.

Mas o cidadão viaja e esquece da dívida. Passam-se duas semanas. Os pretensos credores – desacompanhados de advogado - procuram um Juizado Especial Cível, onde expõem suas razões e expectativas de direito.

O servidor se alonga em explicações jurídicas. Explica o empecilho processual, discorre sobre a necessidade de prova. A dupla desiste de ingressar com a ação. Na saída, os dois insinuam “fazer justiça pelas próprias mãos”.

Uma semana depois, enquanto a Copa do Mundo avança, os credores vão pessoalmente à forra e, aos gritos, tentam fazer prevalecer o seu jogo. Os vizinhos – irritados pelo constrangimento - acionam a polícia e a imprensa. Duas horas depois, os prestadores do serviço conseguem receber parte do que desejavam – ou extorquiam.

“Falta de decoro, capaz de rechear o livro das Páginas da Vida”... – diria reticente um empolado especialista em Direito Eleitoral.

Mas é tudo pura ficção. Se fosse real, estaria acontecendo na distante Rússia, manhã do jogo Brasil 2 x Costa Rica 0.

E não se fala mais nisso.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Pensão alimentícia de ministro do STF

 

Pensão alimentícia de ministro do STF

Numa ação de alimentos, de uma menina de 4 anos, contra um dos craques da seleção brasileira, uma curiosa decisão inicial: a fixação da obrigação mensal de R$ 37.476, “o valor do maior subsídio pago a um ministro do Supremo Tribunal Federal”.

Charge de Gerson Kauer

Plano empregatício de gravidez programada

 

Plano empregatício de gravidez programada

Numa empresa em que a predominância de trabalhadores é feminina, insólitas planilhas baixadas pelos patrões. A interferência na autonomia das mulheres, a respeito de seus projetos de vida, de felicidade e dos desejos dos seus corpos.Quem pretender engravidar “deverá comunicar seis meses antes da data provável da desejada concepção”.

Charge de Gerson Kauer

Prêmio para o magistrado

 

Prêmio para o magistrado

O juiz recém instalado na comarca vai ao restaurante mais famoso da cidade, que é de propriedade de ativo advogado. O magistrado pede o famoso “leitão da casa” para recepcionar, no almoço dominical, sua noiva e os pais dela. Então, a chocante surpresa: algo de estranho no recheio do opíparo quitute... O que acontece depois? A história é contada pelo advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O “Livro do Juiz”

 

O “Livro do Juiz”

O “Doutor Inclemente”, magistrado circunspecto, às vezes trata seus auxiliares com rispidez. Ele tem um estranho hábito: em todas as suas atividades e aparições – inclusive as protocolares – ele leva às mãos um livro cujo título tem letras graúdas. É o VADE MECUM.

Charge de Gerson Kauer

Distribuição de chupeta (s)

 

Distribuição de chupeta (s)

A entrega de chupeta a um médico que, em audiência, se opunha à pensão alimentícia que teria que pagar. Mas - segundo a “rádio-corredor” forense - os bicos ortodônticos também eram oferecidos pelo juiz a advogados com quem ele estaria em linha de confronto jurídico. 

Charge Gerson kauer

Mulher juíza, não!

 

Mulher juíza, não!

Caro leitor(a), palpite onde ocorreu. Envie o cupom eletrônico, depois de ler a história de um ´machista´ que – durante audiência - deixou em polvorosa uma magistrada, uma promotora, uma defensora pública, uma escrevente e uma estagiária. Ele era acusado de crime ambiental: maus tratos contra o seu próprio cavalo.