Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 16 de novembro de 2018.

Justiça pelos próprios gritos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É pura ficção da “rádio-corredor” forense. O cidadão cinquentão, divorciado, estressado pelo excesso de trabalho, vai em busca de serviços sexuais pagos e, na conjunção, se envolve com dois sujeitos adeptos da cirurgia e do tratamento hormonal para mudar de sexo.

“São pobres transexuais” – diria uma advogada feminista. “São dois que, outrora, chamaríamos de travestis” – oporia um médico legista.

Radicalismos à parte, o certo – o errado, aliás - é que o cidadão aceita experimentar além daquilo que originalmente busca. O preço é alto, o programa se completa, no final o cliente não dispõe da grana toda em espécie. Mas, invocando sua honorabilidade, propõe mandar, no dia seguinte, um assessor levar o dinheiro. “Amanhã, cash!” – como convém.

Os prestadores do serviço dão dois votos de confiança e concedem o crédito temporário.

Mas o cidadão viaja e esquece da dívida. Passam-se duas semanas. Os pretensos credores – desacompanhados de advogado - procuram um Juizado Especial Cível, onde expõem suas razões e expectativas de direito.

O servidor se alonga em explicações jurídicas. Explica o empecilho processual, discorre sobre a necessidade de prova. A dupla desiste de ingressar com a ação. Na saída, os dois insinuam “fazer justiça pelas próprias mãos”.

Uma semana depois, enquanto a Copa do Mundo avança, os credores vão pessoalmente à forra e, aos gritos, tentam fazer prevalecer o seu jogo. Os vizinhos – irritados pelo constrangimento - acionam a polícia e a imprensa. Duas horas depois, os prestadores do serviço conseguem receber parte do que desejavam – ou extorquiam.

“Falta de decoro, capaz de rechear o livro das Páginas da Vida”... – diria reticente um empolado especialista em Direito Eleitoral.

Mas é tudo pura ficção. Se fosse real, estaria acontecendo na distante Rússia, manhã do jogo Brasil 2 x Costa Rica 0.

E não se fala mais nisso.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O salvamento da justiça

 

O salvamento da justiça

Apesar de advertido pelo colega de jurisdição, o magistrado embriagado lança-se ao rio, a pretexto de nadar. Começa a afogar-se, mas, felizmente, é salvo por circunstantes. Devolvido à terra firme, o juiz comemora em tom etílico: “A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos”...

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.