Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Justiça pelos próprios gritos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É pura ficção da “rádio-corredor” forense. O cidadão cinquentão, divorciado, estressado pelo excesso de trabalho, vai em busca de serviços sexuais pagos e, na conjunção, se envolve com dois sujeitos adeptos da cirurgia e do tratamento hormonal para mudar de sexo.

“São pobres transexuais” – diria uma advogada feminista. “São dois que, outrora, chamaríamos de travestis” – oporia um médico legista.

Radicalismos à parte, o certo – o errado, aliás - é que o cidadão aceita experimentar além daquilo que originalmente busca. O preço é alto, o programa se completa, no final o cliente não dispõe da grana toda em espécie. Mas, invocando sua honorabilidade, propõe mandar, no dia seguinte, um assessor levar o dinheiro. “Amanhã, cash!” – como convém.

Os prestadores do serviço dão dois votos de confiança e concedem o crédito temporário.

Mas o cidadão viaja e esquece da dívida. Passam-se duas semanas. Os pretensos credores – desacompanhados de advogado - procuram um Juizado Especial Cível, onde expõem suas razões e expectativas de direito.

O servidor se alonga em explicações jurídicas. Explica o empecilho processual, discorre sobre a necessidade de prova. A dupla desiste de ingressar com a ação. Na saída, os dois insinuam “fazer justiça pelas próprias mãos”.

Uma semana depois, enquanto a Copa do Mundo avança, os credores vão pessoalmente à forra e, aos gritos, tentam fazer prevalecer o seu jogo. Os vizinhos – irritados pelo constrangimento - acionam a polícia e a imprensa. Duas horas depois, os prestadores do serviço conseguem receber parte do que desejavam – ou extorquiam.

“Falta de decoro, capaz de rechear o livro das Páginas da Vida”... – diria reticente um empolado especialista em Direito Eleitoral.

Mas é tudo pura ficção. Se fosse real, estaria acontecendo na distante Rússia, manhã do jogo Brasil 2 x Costa Rica 0.

E não se fala mais nisso.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer. 

Charge de Gerson Kauer

O perdão judicial

 

O perdão judicial

O que acontece, em média comarca gaúcha, quando o rígido e formal juiz descobre que ele e a esposa estão sendo espionados por um voyeur - cuja “arma” é uma verruma. O interrogatório sumário, a decisão de prender o abelhudo e a remissão de culpa – com a ordem de que o acusado sumisse imediatamente. O texto é do desembargador aposentado (TJRS) Vasco Della Giustina.