Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Acionista, olho no prazo encolhido: são três anos !



O prazo de dez anos, previsto no artigo 205 do Código Civil, não vale quando acionistas cobram prestação de contas referente ao pagamento de dividendos, de juros sobre capital próprio e de outros rendimentos. A decisão é da 3ª Turma do STJ, ao aplicar o período de três anos da Lei nº 6.404/76 no caso de um acionista que queria ter informações sobre o rendimentos de sua participação societária.

O autor ajuizou ação de prestação de contas contra o Banco Santander Brasil, que não estaria pagando nenhum dividendo ou qualquer outro provento de direito sobre as suas ações.

O pedido foi incialmente acatado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, que condenou o banco a apresentar contas detalhadas referentes ao período de dez anos.

O Santander interpôs recurso especial, afirmando que a pretensão prescreveu três anos depois que os dividendos foram colocados à disposição do acionista, conforme a Lei nº 6.404/76.

O relator do caso, ministro Marco Aurélio Bellizze, acolheu a tese defensiva do banco. Segundo o acórdão, “a pretensão de obter a prestação de contas afeta ao pagamento de dividendos e é indissociável da pretensão de obter a correlata reparação, devendo-se, por isso, observar seu prazo prescricional previsto em lei específica”, e não do Código Civil. (REsp nº 1.608.048).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lula não tem direito a dar entrevistas

Juíza que tem jurisdição sobre a execução da pena imposta ao ex-presidente nega pedido da Folha de São Paulo, SBT e Portal Uol.

Foi-se a Copa?

Versos de Carlos Drummond de Andrade, logo depois da Copa do Mundo de 1978 (Argentina campeã), vaticinaram que os brasileiros (derrotados) podem cuidar de outros problemas. O que acontecerá se Tóffoli assumir a presidência do STF em agosto de 2018?

Assédio em transporte escolar

TJRS confirma, em reexame necessário, sentença cível que determinou afastamento do condutor de veículo oficial que conduzia estudantes. Mas no juízo criminal houve a ocorrência da prescrição punitiva.