Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

O Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) é dinheiro do povo!



Charges do Flávio – Tribuna da Internet

Imagem da Matéria

PRIMEIRO PONTO - O custo das eleições de 2018 será marcado pelo financiamento público das campanhas. Tradicionalmente as campanhas eleitorais já recebiam recursos públicos, oriundos do Fundo Partidário e por conta da publicidade gratuita em rádio e televisão. Mas tais recursos eram absolutamente insignificantes para as campanhas milionárias levadas a efeito e que até o ano de 2014 encontravam sua principal fonte de arrecadação nas doações de pessoas jurídicas.

Doação de pessoa jurídica para campanha eleitoral não tem nada de ilegal ou imoral. As pessoas jurídicas, que nada mais são do que representantes de um grupo de pessoas físicas ligadas por um interesse comum, com fim lucrativo ou não, detêm legítimo interesse na condução da coisa pública.

Ilegalidade ou imoralidade situa-se em outro plano, no uso e no abuso das doações para as campanhas eleitorais, tanto do doador como do donatário, com fins escusos e oportunas cobranças da fatura em troca de favores ou facilitações às custas do erário público.

Mas veio a reforma legislativa e foram elas proibidas, secando a fonte. A solução encontrada pelos legisladores e também destinatários da regra: os cofres públicos proverem diretamente os gastos com as campanhas eleitorais. E foi criado o Fundo Especial de Financiamento de Campanha, também conhecido como FEFC.

SEGUNDO PONTO - O FEFC é constituído, em sua maior parte, com transferências das verbas destinadas às emendas parlamentares. As emendas de bancada, por sua vez, são valores destinados a propostas de investimento nas áreas de infraestrutura, saúde e educação nos Estados e nos municípios.

É, portanto, dinheiro do povo. Para a eleição de 2018, o FEFC é no valor de R$ 1.716.209.431,00 que será distribuído pelos partidos políticos.

Como será feita a distribuição? Segundo a lei votada pelo Congresso Nacional, não surpreende muito como a divisão será feita. Assim, os cinco maiores partidos, com representação no Congresso Nacional (MDB, PT, PSDB, PP e PSB) receberão, somados, um pouco mais de R$ 882 milhões, ou seja, mais que 50% do valor do FEFC.

A outra metade será dividida entre os 30 outros partidos políticos. Entre os seis menores, a cota fica abaixo de R$ 1 milhão - ou seja, a cota mínima garantida, que é de R$ 980.691,10. Fácil inferir que o número de reeleições de candidatos, tanto nas eleições majoritárias como nas proporcionais, poderá ser significativo e recorrente.

Mas sempre é bom lembrar que o voto é do povo - e cumpre ao povo chancelar ou repudiar a escolha feita pelos mandatários do poder.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Os partidos políticos e “O Homem Que Calculava”

“Um problema: o pai deixara como herança, a três filhos, 35 camelos, que deveriam ser divididos da seguinte forma: metade para o filho mais velho; 1/3 para o filho do meio; 1/9 para o filho mais novo. A solução seria matar alguns

A automação e a inteligência artificial no Direito

O Brasil jurídico também já conta com o seu robô. É Victor, que foi desenvolvido em parceria entre o STF e a Universidade de Brasília. Ele vai ler todos os recursos extraordinários e identificá-los com as temáticas de repercussão geral, produzindo minutas de voto”.

O vale-tudo da pré-campanha eleitoral

“Pré-candidatos viajando pelo país, com caravanas ou jatinhos fretados, como se isso fosse de graça. E... como a arrecadação e os gastos são vedados, não há prestação de contas...”

 

Para não dizer que não falei...de futebol

“O Grêmio vencendo barreiras no planeta. Ver Porto Alegre no ranking do futebol mundial, entre metrópoles como Madrid, Barcelona, Munique, Buenos Aires, Liverpool e Rio de Janeiro dá um orgulho danado”.

O nome social e as eleições

“Julgada pelo TSE uma consulta definindo que os (as) candidatos(as) a cargos eletivos pelo sistema proporcional preencherão a distribuição de vagas (30/70%) de acordo com o gênero pelo qual se identificam”.