Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 16 de novembro de 2018.

Prêmio para o magistrado



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)
bencke@benckesirangelo.adv.br

O advogado, em cidade pequena na região da fronteira do RS, fez fama por ser bem-falante, com sotaque gaúcho acentuado até para dar ênfase às suas excelentes tiradas de humor, mas todas ligadas à técnica do Direito.

Processo importante que surgisse na cidade apontava direto para o seu bem montado escritório, localizado no centro da cidade. “O Doutor Criávalo resolve” - aconselhavam todos.

Além do Direito, o Doutor Criávalo possuía cultura invejável em filosofia, sociologia e devorava livros. Por isso era muito procurado pelos intelectuais da cidade, para conversas sobre variados temas que iam desde a prisão do ex-Presidente até o Mito da Caverna de Platão, sem deixar de dar uma passadinha pela seleção brasileira em Moscou.

O juiz recém-chegado foi informado sobre tal fama pelos funcionários do fórum. Todos elogiavam não só a estrutura sólida da cultura do causídico, como o fascínio irresistível, seu carisma e simpatia.

Com o tempo, o dr. Criávalo foi espraiando seus negócios, mercê de suas constantes viagens ao exterior, de onde trazia novidades e as implantava na cidade. Foi assim com um bem montado restaurante com especiarias de várias partes do mundo, que tinha no cardápio um trivial, porém irresistível, leitão recheado.

Era o prato mais solicitado e, inclusive, levado para casa inteiro para alimentar as famílias reunidas aos domingos.

O magistrado ainda não conhecia o advogado famoso, mas já sabia da fama do leitão. E não teve dúvida para o almoço do domingo, pois receberia a visita da noiva com casamento marcado e seus pais. Pensou no leitão e dito e feito. Levou o bicho recheado para casa e fez a maior propaganda para suas visitas ilustres.

Todos reunidos, mostrando suas habilidades de apreciador e entendedor de boas mesas, o juiz pôs-se a trinchar o leitão quando - surpresa das surpresas – percebeu, misturada ao suculento recheio, uma tampinha de lata de cerveja, daquelas que as pessoas recolhem para fazer benemerência.

O juiz encheu-se de brios - pois estava na presença da noiva e dos pais dela e, afinal, era a autoridade judiciária máxima da cidade - e foi, bufando, ao restaurante do famoso advogado. Lá chegando, encontrou-o regalando-se com um leitão e cercado de amigos e pessoas que o paparicavam diuturnamente.

O magistrado-cliente reclamou em altos brados, mostrando a tampinha ainda lambuzada de recheio.

Sem perder a compostura, o causídico dono do restaurante abriu um largo sorriso, abraçou o juiz reclamão e anunciou aos pares ali sentados: “Este é um magistrado de sorte. Recém chegou em nossa cidade e já ganhou um prêmio. Por favor, tragam o fardo de latinhas de cerveja a que fez jus o feliz cliente que encontrou a tampinha no meio do leitão recheado”.

Foi assim que o magistrado ficou sabendo por que o advogado era um dos melhores da cidade.


Comentários

Irene Finder Volpato - Professora De História 03.07.18 | 10:13:38

São adoráveis essas histórias ligadas ao universo jurídico.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O salvamento da justiça

 

O salvamento da justiça

Apesar de advertido pelo colega de jurisdição, o magistrado embriagado lança-se ao rio, a pretexto de nadar. Começa a afogar-se, mas, felizmente, é salvo por circunstantes. Devolvido à terra firme, o juiz comemora em tom etílico: “A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos”...

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.