Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 14 de agosto de 2018.

OAB anuncia o Registro Nacional de Violações de Prerrogativas



Arte de Camila Adamoli sobre caricatura da Gazeta do Povo (PR)

Imagem da Matéria

Após ter seu regulamento aprovado na sessão da última terça-feira (26), do Conselho Federal da OAB, o Registro Nacional de Violações de Prerrogativas (RNVP) foi publicado na sexta-feira passada (29) no Diário Oficial da União.

Trata-se de iniciativa que se destina à eventual suscitação de inidoneidade moral de (ex) agentes públicos, “baseada na violação grave ou reiterada das prerrogativas da advocacia”, das quais tenha resultado o deferimento de desagravo(s) público(s).

Em 2010, ao assumir como corregedora nacional de justiça, no CNJ, a então ministra Eliana Calmon, atualmente aposentada, disse – em entrevista repercutida pelo Espaço Vital – “ser necessário ter práticas humildes dentro do Judiciário, acabando-se com essa doença que é a juizite".

O RNVP será consultado pelos Conselhos Seccionais por ocasião da análise dos pedidos de inscrição para ingresso ou reingresso na advocacia, visando à possível suscitação de inidoneidade moral. Os registros serão feitos a partir de 29 de agosto próximo, sendo de exclusiva responsabilidade dos Conselhos Seccionais em que tenha tramitado o processo de desagravo público. O Conselho Federal fará os registros relativos às eventuais reformas das decisões concessivas.

Os registros sobre desagravos públicos deferidos anteriormente a 26 de junho de 2018 serão inseridos no RNVP, conforme a disponibilidade das informações armazenadas nos Conselhos Seccionais e no Conselho Federal da OAB.

Para o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, a atualização frequente e a unificação dos dados que comporão o RNVP “vão balizar de modo fidedigno as decisões das seccionais estaduais e do Conselho Federal da Ordem, acerca das ações que causaram desrespeito ao livre exercício profissional da advocacia”.

ÍNTEGRA DO PROVIMENTO nº 179/2018

Institui e regulamenta o Registro Nacional de Violações de Prerrogativas, no âmbito da Ordem dos Advogados do Brasil.

O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 54, V, da Lei n. 8.906, de 4 de julho de 1994 - Estatuto da Advocacia e da OAB, e considerando o decidido nos autos da Proposição n. 49.0000.2017.008887-1/COP,

RESOLVE:

Art. 1° - Fica instituído o Registro Nacional de Violações de Prerrogativas - RNVP, composto pelas informações disponíveis no Sistema OAB, tanto no âmbito dos Conselhos Seccionais quanto do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

Art. 2° - O RNVP será consultado pelos Conselhos Seccionais por ocasião da análise dos pedidos de inscrição, visando à possível suscitação de inidoneidade moral baseada na violação grave ou reiterada das prerrogativas da advocacia decorrente do deferimento do desagravo público previsto nos arts. 18 e 19 do Regulamento Geral da Lei n. 8.906, de 1994 (Estatuto da Advocacia e da OAB).

Parágrafo único - A suscitação de inidoneidade prevista no caput ficará sujeita ao contraditório e à ampla defesa no momento do requerimento da inscrição, cabendo em cada caso a análise e julgamento sobre a sua existência.

Art. 3° - O RNVP será mantido pelo Conselho Federal da OAB e alimentado automaticamente, por via eletrônica, por este e pelos Conselhos Seccionais.

Art. 4° - Após o deferimento do desagravo público, o Conselho Seccional competente, ou o Conselho Federal, quando se tratar de processo originário, inserirá as seguintes informações no RNVP, entre outras disponíveis:

I - a identificação do agravante;

II - o número do processo de desgravo público e a data da decisão de sua concessão;

III - breve descrição dos fatos que motivaram a concessão do desagravo público;

IV - após a realização do desagravo, a data e o local, bem como a nota correspondente.

Art. 5° - As informações de que trata esta Resolução somente serão disponibilizadas aos operadores do Sistema OAB, mediante autorização formal e senha de acesso pessoal.

Parágrafo único - O sistema informatizado de gerenciamento do RNVP armazenará o histórico de dados de acesso a cada informação nele contida, no mínimo quanto:

I - à identificação do usuário;

II - à data e horário da operação.

Art. 6° - São objetivos do Registro:

I - Gerar certidão de informações a ser juntada, obrigatoriamente, aos processos de inscrição em trâmite, visando à sua instrução;

II - Possibilitar o estudo das informações registradas, visando à avaliação de políticas preventivas pelas Comissões de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia e pelas Procuradorias de Defesa das Prerrogativas;

III - Gerar dados estatísticos relacionados com as defesas das prerrogativas profissionais.

Art. 7º - As informações inseridas no RNVP são de exclusiva responsabilidade dos Conselhos Seccionais em que tenha tramitado o processo de desagravo público, que devem mantê-las constantemente atualizadas, ressalvada a responsabilidade do Conselho Federal, no tocante aos dados por ele introduzidos, inclusive no tocante às eventuais reformas das decisões concessivas.

Parágrafo único - O Conselho Federal prestará assistência técnica aos Conselhos Seccionais, visando à implantação do sistema, na medida de suas possibilidades e mediante solicitação.

Art. 8° - Os registros relativos a desagravos públicos deferidos anteriormente à edição da presente Resolução serão inseridos no RNVP, na medida da disponibilidade das informações armazenadas nos Conselhos Seccionais e no Conselho Federal da OAB.

Art. 9° - Este Provimento entra em vigor 60 (sessenta) dias após a data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Brasília, 26 de junho de 2018.


Comentários

Francisco R. Joachim - Advogado 03.07.18 | 13:04:19

Só dou um palpite: acho que essa iniciativa da OAB vai sacudir gabinete(s) no Foro de Canoas (RS).

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.

Morre o advogado Mathias Nagelstein

Ele teve sucesso na carreira política, ocupando cargos nos governos de Alceu Collares. Foi também juiz do Tribunal Militar do RS. Sem êxito concorreu em novembro de 2009 às eleições da OAB gaúcha.