Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

A sentença condenatória de Neymar



Chargista DUM – www.HumorPolitico.com.br

Imagem da Matéria

A experiência de vestiário revelou-me a atração que os atletas de futebol provocam à mídia. Não é por acaso. Seguramente mais de sessenta por cento dos espaços são dedicados à cobertura do esporte.

Lembro de uma ocasião em que um jogador do Internacional havia sofrido um acidente que resultou em um ferimento na mão, provocado por um copo quebrado. Detalhe: ela estava de folga.

Na entrevista coletiva, quando me dei conta, estava diante de um arremedo de tribunal de inquisição. Comentários acerca do estado civil do jogador, indagações quanto ao ambiente no qual estaria, etc.

Utilizando uma figura, apontei a necessidade da consideração do padrão médio de comportamento e não os dos extremos. No caso do Internacional, o atleta em questão participou de grandes e inesquecíveis conquistas. Lembro de ter sido criticado ao afirmar: “Isso aqui não é time do seminário e nem pode ser o do presídio”.

Neymar Jr. tem 26 anos e, graças ao seu inegável talento, tem muito sucesso, inclusive financeiro. Tem fama, convivendo com o estrelato. Frequenta bons lugares, convive com mulheres bonitas e é constantemente assediado, inclusive pela mídia.

Com a Copa, descortinou-se um julgamento público do jogador: suas tatuagens, seus penteados, seu estilo de jogar, etc., embora ele siga à risca o padrão estipulado pela própria mídia. Não descuidemos de que ele é o resultado de uma sociedade global que precisa consumi-lo. Além do futebol, ele faz girar a “roda da fortuna” dos grandes negócios vinculados.

Neymar é diferente de Romário, Ronaldinho, Ronaldo Fenômeno, Maradona e tantos outros? Para refletir, tentei retroagir me transportando para os meus 26 anos, mas com a fama, prestígio e dinheiro dele. Seria muito diferente dele? Eu não garanto, ainda mais se ponderarmos acerca das dificuldades sociais que enfrentou.

O atleta de futebol não pode ser analisado à luz daqueles que praticam o esporte para o lazer. Sei o quanto ele deve ter se dedicado, treinando, participando de competições, etc. O julgamento do Neymar não pode ser realizado com as mesmas exigências aplicáveis aos netos da Rainha!

O que me importa, pois não o desejo como gênero, é que jogue futebol e isso ele está fazendo e bem. Evoluindo muito a considerar o seu afastamento e período de recuperação.

No mais, quanto às simulações de faltas, confesso que não vejo o futebol como uma ilha de virtudes. Lembro da famosa “mano de Dios”, do Brasileirão de 2005, dos dirigentes da FIFA, das confederações, de alguns clubes, dos empresários, dos “tribunais esportivos”, e das negociatas com as grandes redes de comunicação...


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra!

“Nunca imaginei um ex-presidente preso ou um candidato vítima de atentado no Brasil. Também nunca imaginei ter o Judiciário sob o comando de alguém que sequer logrou aprovação em concursos para o cargo de juiz substituto”.

Gre-Nal, a hora da verdade

“Aproveitemos o momento para deixar um pouco de lado as raivas acumuladas, seja pela falência da nossa economia, seja pela destruição moral e ética do nosso país ou até mesmo pela incineração de parte da nossa memória histórica. Somos torcedores e não bárbaros. A convivência faz parte do processo civilizatório”.

Claudiomiro Estrais Ferreira, tanque de guerra, bigorna e matador

“Ele era alvo de piadas e lhe atribuíam a autoria de frases - que não sabemos se disse ou não disse, mas que eram sempre repetidas em tom de veracidade. Não importa: o Claudiomiro com todas as suas circunstâncias, folclóricas ou não, ingressou na história do Internacional”.

TDP – Transtorno delirante paranoide

“De tanto ler acerca da tal de IVI – Imprensa Vermelha Isenta, sou provocado por uma afirmação autofágica do colunista do espaço Jus Azul”.

16 de agosto de 2006

“A data em que o Inter foi campeão da Libertadores. Nunca fui daqueles que oportunisticamente passam fustigando o rival. Aplica-se o óbvio: nós somos nós, e eles são eles. A história não serve para consolo, mas é ela que forja o futuro. Aquela conquista tem um nome que a simboliza: Rafael Sóbis”.