Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Plano empregatício de gravidez programada



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na empresa de serviços especializados de “call-center” trabalhavam, majoritariamente, mulheres. Ali, a direção instituiu um “programa de gestação”, a fim de regular qual empregada poderia, ou não, engravidar. As regras, enviadas por e-mail pela gerente de pessoal, excluíam do “privilégio” as empregadas que não fossem casadas oficialmente.

Havia ainda duas enroladas minúcias.

Primeira: “As que já tiverem filho somente poderão engravidar novamente depois das empregadas que estiverem à frente, na ordem de preferência”. Segunda: “Se mais de uma empregada estiver elegível, a escolha obedecerá a ordem de admissão na empresa”.

O programa ainda exigia que quem “estiver elegível para engravidar deverá comunicar seis meses antes da data provável da desejada concepção”.

Na ação trabalhista de uma das mulheres tolhidas no direito de ser mãe, a sentença reconheceu que “tais planilhas estabelecem, absurdamente, uma fila de preferência para a atividade reprodutiva das trabalhadoras” - e deferiu reparação de R$ 15 mil.

Mas o tribunal regional extirpou tal condenação, entendendo “não se tratar de dano ´in re ipsa´, não tendo ficado provado o prejuízo pessoal à obreira”.

No TST o relator concluiu que “todas as mulheres em idade reprodutiva constantes da ´planilha da gravidez´ tiveram a sua dignidade e intimidade ofendidas, interferindo na possibilidade de decidirem com autonomia a respeito de seus projetos de vida, de felicidade e dos desejos dos seus corpos, resultando discriminadas em razão de sua condição feminina". E mandou expedir ofício ao Ministério Público para “análise – e providências, se for o caso”.

Em relação à indenização pessoal para a reclamante, o julgado alfinetou “a insensibilidade da empresa empregadora, que se preocupa exclusivamente com o atendimento de suas metas produtivas, constrangendo as decisões reprodutivas das trabalhadoras”. E deferiu R$ 50 mil de indenização moral.

No mês passado, nasceu o primeiro filhinho da corajosa reclamante. Demitida sem justa causa, claro, ela conseguiu montar com o dinheiro indenizatório um confortável quarto e um excelente enxoval para o pimpolho.

Há muita gente festejando o precedente. Mas o solteiro relator no tribunal regional deve estar vexado.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer. 

Charge de Gerson Kauer

O perdão judicial

 

O perdão judicial

O que acontece, em média comarca gaúcha, quando o rígido e formal juiz descobre que ele e a esposa estão sendo espionados por um voyeur - cuja “arma” é uma verruma. O interrogatório sumário, a decisão de prender o abelhudo e a remissão de culpa – com a ordem de que o acusado sumisse imediatamente. O texto é do desembargador aposentado (TJRS) Vasco Della Giustina.