Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 16 de novembro de 2018.

Plano empregatício de gravidez programada



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na empresa de serviços especializados de “call-center” trabalhavam, majoritariamente, mulheres. Ali, a direção instituiu um “programa de gestação”, a fim de regular qual empregada poderia, ou não, engravidar. As regras, enviadas por e-mail pela gerente de pessoal, excluíam do “privilégio” as empregadas que não fossem casadas oficialmente.

Havia ainda duas enroladas minúcias.

Primeira: “As que já tiverem filho somente poderão engravidar novamente depois das empregadas que estiverem à frente, na ordem de preferência”. Segunda: “Se mais de uma empregada estiver elegível, a escolha obedecerá a ordem de admissão na empresa”.

O programa ainda exigia que quem “estiver elegível para engravidar deverá comunicar seis meses antes da data provável da desejada concepção”.

Na ação trabalhista de uma das mulheres tolhidas no direito de ser mãe, a sentença reconheceu que “tais planilhas estabelecem, absurdamente, uma fila de preferência para a atividade reprodutiva das trabalhadoras” - e deferiu reparação de R$ 15 mil.

Mas o tribunal regional extirpou tal condenação, entendendo “não se tratar de dano ´in re ipsa´, não tendo ficado provado o prejuízo pessoal à obreira”.

No TST o relator concluiu que “todas as mulheres em idade reprodutiva constantes da ´planilha da gravidez´ tiveram a sua dignidade e intimidade ofendidas, interferindo na possibilidade de decidirem com autonomia a respeito de seus projetos de vida, de felicidade e dos desejos dos seus corpos, resultando discriminadas em razão de sua condição feminina". E mandou expedir ofício ao Ministério Público para “análise – e providências, se for o caso”.

Em relação à indenização pessoal para a reclamante, o julgado alfinetou “a insensibilidade da empresa empregadora, que se preocupa exclusivamente com o atendimento de suas metas produtivas, constrangendo as decisões reprodutivas das trabalhadoras”. E deferiu R$ 50 mil de indenização moral.

No mês passado, nasceu o primeiro filhinho da corajosa reclamante. Demitida sem justa causa, claro, ela conseguiu montar com o dinheiro indenizatório um confortável quarto e um excelente enxoval para o pimpolho.

Há muita gente festejando o precedente. Mas o solteiro relator no tribunal regional deve estar vexado.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O salvamento da justiça

 

O salvamento da justiça

Apesar de advertido pelo colega de jurisdição, o magistrado embriagado lança-se ao rio, a pretexto de nadar. Começa a afogar-se, mas, felizmente, é salvo por circunstantes. Devolvido à terra firme, o juiz comemora em tom etílico: “A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos”...

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.