Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 16 de outubro de 2018.

Homem incendeia automóvel, achando que era o da esposa em motel



Portal da Feira (Itumbiara)

Imagem da Matéria

Os bombeiros acorreram sem demora, apagando as chamas que já tinham consumido quase todo o veículo

Um homem confundiu um automóvel Voyage - que estava em frente a um motel – como sendo o da esposa e o destruiu, na cidade de Itumbiara (GO). De acordo com a Polícia Militar, o desconfiado chegou a deixar um bilhete com a número de telefone na recepção do estabelecimento, com a observação de que “ela e o amante que resolvam a situação”.

Segundo informações do ‘G1 Goiás’, a PM informou que a mulher estava dentro do motel com um acompanhante, na noite de terça-feira passada (10), e foi informada que o seu veículo estava pegando fogo. Em depoimento, a funcionária do motel contou que o homem confundiu o carro que estava do lado de fora com o da sua esposa.

O homem - que quebrou o para-brisa e colocou fogo no carro - disse que vai arcar com os prejuízos. Junto com o advogado, ele, que explicou que estava alcoolizado, já entrou em contato com a vítima.

A mulher confundida pelo acusado, que estava no motel, informou que o carro pertencia à mãe dela e que não conhece o homem que colocou fogo no carro.

Ainda que pague os prejuízos decorrentes de sua atrapalhada ação, o homem não escapará da ação penal pública decorrente do crime de incêndio provocado. O inquérito já foi aberto ontem na delegacia de polícia local.

Código Penal - Decreto Lei nº 2.848 de 07 de Dezembro de 1940

Art. 250 - Causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem:

Pena - reclusão, de três a seis anos, e multa.

Aumento de pena:

§ 1º - As penas aumentam-se de um terço:

I - se o crime é cometido com intuito de obter vantagem pecuniária em proveito próprio ou alheio;

II - se o incêndio é:

a) em casa habitada ou destinada a habitação;

b) em edifício público ou destinado a uso público ou a obra de assistência social ou de cultura;

c) em embarcação, aeronave, comboio ou veículo de transporte coletivo;

d) em estação ferroviária ou aeródromo;

e) em estaleiro, fábrica ou oficina;

f) em depósito de explosivo, combustível ou inflamável;

g) em poço petrolífico ou galeria de mineração;

h) em lavoura, pastagem, mata ou floresta.

Incêndio culposo

§ 2º - Se culposo o incêndio, é pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos.

Fim do casamento 

Segundo informou, ontem (16), o advogado Guilherme Carneiro, que defende o incendiário, “o casal vai se separar após o episódio, considerado o estopim para dar início ao processo de divórcio consensual, após outros desentendimentos entre marido e mulher”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.

Dois advogados condenados por organização criminosa

As penas somadas chegam a 55 anos de reclusão. Após o ajuizamento de milhares de ações, os acusados apropriavam-se ilicitamente de valores pagos a título de acordo com a parte contrária, ou após indenização por sentença judicial.

MPF pede nova condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Pedido foi feito, ontem (4), em Curitiba, em ação penal que trata do terreno para o Instituto Lula. As razões finais de acusação abordam o “esquema criminoso de desvio de recursos públicos destinados a enriquecer ilicitamente". Defesa do ex-presidente diz, em nota, que o ex-presidente será absolvido quando for julgado por um "juiz imparcial, isento e independente".