Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 16 de outubro de 2018.

A evolução demográfica brasileira



A população brasileira atingirá seu “teto” de 233 milhões de pessoas em 2047. A partir daí, segundo projeção do IBGE, o total de habitantes começará a cair. A estimativa é que que sejamos 228 milhões de brasileiros em 2060. Daí em diante, por enquanto, só exercícios de futurologia.

O IBGE projetou ainda a evolução da idade média da população brasileira, atualmente em 32,6 anos. Hoje, nove estados têm média de idade abaixo dos 30 anos. O mais jovem é o Acre (24,9 anos). O RS é o mais envelhecido, com média de 35,9.

A expectativa de vida no Brasil deve aumentar. Atualmente, os homens vivem em média 72,7 anos e as mulheres, 79,8 anos. A previsão é que cresçam, respectivamente, para 77,9 e 84,2 em 2060.

A propósito, um número gaúcho: o RS está entre as 12 unidades da federação que terão sua população reduzida já a partir de 2047, causada por fluxos migratórios negativos. Em outras palavras: maior número de mortes e saídas de pessoas, do que a chegada de novos habitantes.

A taxa de urbanização do Brasil é de 85%, uma das maiores do mundo. Está na hora de os candidatos aos cargos eletivos colocarem as cidades nas suas plataformas. É inadiável a mudança da dinâmica espacial urbana em todo o país, sob pena de continuarmos multiplicando a miséria das periferias que se grudam, umas às outras.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Toffoli sanciona sanciona três leis

O presidente do STF voltou a despachar do Planalto 13 anos depois de ter ali trabalhado como subchefe da Casa Civil, de 2003 a 2005, durante a gestão de José Dirceu.

Apple continuará a usar, no Brasil, a marca iPhone

Conforme a decisão, ontem (20) do STJ, a brasileira IGB Eletrônica (Gradiente) poderá manter a marca G Gradiente Iphone, mas sem exclusividade sobre a palavra “iphone" , que também identifica os celulares da empresa estadunidense.

Validade do aval em nota promissória sem a outorga uxória

Mas, atenção! A garantia é ineficaz com relação ao cônjuge que não consentiu. Ficam obrigados os que – mesmo casados, ou em união estável – assinaram isoladamente. Decisão é do STJ em caso oriundo de Santa Catarina.