Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 14 de agosto de 2018.

Proposta amplia tempo de estágio supervisionado de Direito para três anos



O Projeto de Lei nº 9.193/17 tramita na Câmara dos Deputados. Atualmente, estágio tem duração de dois anos.

Tramita na Câmara dos Deputados, o PL nº 9.193/17. A proposta, de autoria do deputado federal Rodrigo Pacheco, determina que o estágio supervisionado de estudantes de Direito tenha a duração de três anos.

Rodrigo Otavio Soares Pacheco, natural de Porto Velho (RO) é um advogado e político brasileiro. Filiado ao Democratas, é deputado federal por Minas Gerais e o atual presidente da CCJ da Câmara dos Deputados do Brasil.

A matéria altera o Estatuto da Advocacia – Lei nº 8.906/94 – para aumentar o tempo de estágio supervisionado, que passaria a ser realizado a partir do terceiro ano do curso de Direito. Atualmente, o estágio supervisionado de estudantes de Direito tem início no quarto ano de curso, com duração de dois anos.

Para o autor do PL 9.193/17, no terceiro ano da graduação, o estudante já se encontra em condições de exercer o estágio supervisionado.

"Quanto mais cedo o estagiário envolver-se com a prática da advocacia supervisionada, mais bem preparado estará tanto para o futuro Exame da Ordem dos Advogados quanto para o mercado de trabalho", afirma Pacheco, na justificativa.

O PL 9.193/17 tramita em caráter conclusivo e será analisado, a partir de amanhã (1º.8) pelas comissões de Educação, e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados. (Com informações da Agência Brasil).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.

Morre o advogado Mathias Nagelstein

Ele teve sucesso na carreira política, ocupando cargos nos governos de Alceu Collares. Foi também juiz do Tribunal Militar do RS. Sem êxito concorreu em novembro de 2009 às eleições da OAB gaúcha.