Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 16 de outubro de 2018.

STJ recebe denúncia contra conselheiro do TCE-SC por falsidade ideológica



A Corte Especial do STJ recebeu a denúncia contra o conselheiro do Tribunal de Contas de Santa Catarina (TCE-SC) César Filomeno Fontes e o servidor público Luiz Carlos Wisintainer, do mesmo tribunal, pela suposta prática do crime de falsidade ideológica.

A decisão foi unânime e se deu na última quarta-feira (1º). O caso tramita há cinco anos no STJ.

De acordo com a denúncia, César Filomeno Fontes e o diretor-geral de controle externo do TCE-SC teriam inserido declaração diversa da que deveria ter sido registrada em certidão emitida pelo TCE a respeito do cumprimento, pelo Estado de Santa Catarina, do percentual mínimo de gastos com educação para que o Estado conseguisse acessar linhas de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).

A defesa alegou “ausência de justa causa para a instauração da ação penal por atipicidade da conduta, em razão da inexistência de dolo específico na conduta de fraudar o conteúdo dos documentos”.

O relator, ministro Luis Felipe Salomão, no entanto, entendeu que a denúncia “atende aos requisitos do artigo 41 do Código de Processo Penal, na medida em que bem individualiza as condutas dos denunciados, expondo de forma pormenorizada os supostos fatos delituosos, sendo certo que sua simples leitura permite vislumbrar todos os elementos indispensáveis à existência de crime”.

Apesar de reconhecer que o crime de falsidade ideológica exige a demonstração inequívoca do dolo específico, Salomão ressaltou que a real conduta e intenção dos acusados serão apuradas na fase de instrução probatória.

Quanto ao fato de o diretor-geral de controle externo não possuir foro por prerrogativa da função, o relator optou pela mitigação da regra geral do desmembramento porque, além de não verificar nenhum prejuízo com a instrução conjunta, “como os fatos reportados nos autos estão imbricados, a cisão implicaria prejuízo ao esclarecimento da verdade real”. (APn nº 847 – com informações do STJ e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.

Dois advogados condenados por organização criminosa

As penas somadas chegam a 55 anos de reclusão. Após o ajuizamento de milhares de ações, os acusados apropriavam-se ilicitamente de valores pagos a título de acordo com a parte contrária, ou após indenização por sentença judicial.

MPF pede nova condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Pedido foi feito, ontem (4), em Curitiba, em ação penal que trata do terreno para o Instituto Lula. As razões finais de acusação abordam o “esquema criminoso de desvio de recursos públicos destinados a enriquecer ilicitamente". Defesa do ex-presidente diz, em nota, que o ex-presidente será absolvido quando for julgado por um "juiz imparcial, isento e independente".