Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 14 de agosto de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

Bem-vinda a primavera vermelha!



Arte de Camila Adamoli sobre foto Fox Sports

Imagem da Matéria

Neste rigoroso inverno, onde o cinza é a cor que impera, dirigimos as nossas esperanças à próxima chegada da primavera. Com ela mais luz, mais verde, mais parques, menos roupas e menos recolhimento. Enfim, com ela mais alegria e mais vida.

Por aproximadamente três anos e meio, nós colorados enfrentamos um tenebroso inverno. Uma constante sucessão de erros e uma abstinência severa de títulos. Não estávamos acostumados com isso, a viver sem esperanças.

Pois bem, surpreendentemente, como é próprio ao futebol, nesse segundo semestre de 2018, após a parada da Copa, testemunhamos uma ascendente evolução do time. Como maior sintoma, vieram os resultados. Eles estão acontecendo, inclusive no confronto com equipes já consolidadas na competição.

Sou um pragmático no futebol, o resultado do jogo é a expressão da verdade. São ridículas as explicações ao final de jogos que atribuem a derrota a uma única jogada, a uma bola.

Para ganhar, basta um gol e...nenhum do rival.

Hoje, estamos efetivamente retornando à elite do futebol brasileiro. Não estamos disputando a permanência na primeira divisão, mas o topo da classificação. Estamos otimistas, pois quem está em terceiro lugar possui plenas condições para ganhar o título que perseguimos e que nos foi surrupiado em 2005.

O compromisso aumentou em muito e não podemos nos perder naquilo que é uma espécie de ajuste fino, nos detalhes.

Está provado que a alegria dos torcedores é fundada em uma sólida base material, em um movimento ascendente. Se antes desconfiávamos das possibilidades do técnico, hoje temos indicadores da sua afirmação.

Temos condições para o título e para a classificação à Libertadores do próximo ano. Os jogos difíceis do primeiro semestre, agora serão disputados em nossa casa, diante da nossa torcida repleta de esperanças.

A provável contratação do Guerrero, retirando os aspectos negociais e o risco que é peculiar às grandes contratações, também nos devolvem a um patamar de importância no cenário nacional e internacional. Torço para que o melhor ocorra e que ao concretizar-se o negócio com o jogador, ele retome com êxito a sua carreira vestindo a camiseta vermelha.

Estabeleço uma clara distinção entre o time e o clube. O primeiro está mostrando em campo as suas reais possibilidades. O segundo, que envolve métodos de gestão, avanços necessários em todas as áreas, também poderá ser aperfeiçoado a partir do resgate da nossa confiança.

Há um verdadeiro moto contínuo; o futebol depende do clube e o clube do futebol.

Sigamos confiantes de que logo ali adiante, após a extemporânea primavera, virá o verão com toda a sua força.

Sejamos corajosas em busca do título máximo do futebol brasileiro. Ele é possível e a nossa torcida merece que o inverno permaneça apenas na lembrança.


Envie seu Comentário

Comentário
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Espaço Vital.

Se for advogado(a) ou estagiário (a), informe qual a sua Seccional da OAB e o número de sua inscrição.




Mensagem (Máximo 500 caracteres)
Não devem ser usadas palavras inteiras em maiúsculas

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Ah! Se eu jogasse como ele!...

“Há um papel para os jogadores, empregados do clube, regidos pela CLT e pelas disposições contratuais e outro àqueles que integram a estrutura orgânica, marcada pela natureza representativa”.

Quem não preserva seus ídolos tem dificuldades em projetar o amanhã

“Esta semana fomos atingidos pela duríssima realidade, materializada pela foto do Gabiru sentado no saguão de uma sala de audiências conciliatórias na Justiça do Trabalho. Entristecedor”. (Leia a íntegra da sentença da ação trabalhista iniciada em 2010 e que terminou por acordo).

O mistério da camiseta branca no mundial

“O futebol também tem como característica a superstição. Quem frequenta o vestiário testemunha jogadores rezando antes do início das partidas e ao final. É um rito constante e que abrange a todos, independentemente do credo religioso. Todos rezam um Pai Nosso e uma Ave Maria, no mínimo”.

A velhice prematura e as especulações para a Copa do Catar

“Neste inverno rigoroso do RS, chega a ser hilário considerar velho alguém no auge dos seus trinta e poucos anos. Mas é a realidade do futebol, esporte que cada vez mais se caracteriza como uma modalidade atlética”.

A sentença condenatória de Neymar

“Quanto às simulações de faltas, não vejo o futebol como uma ilha de virtudes.  Lembro da famosa ´mano de Dios´, do Brasileirão de 2005, dos dirigentes da FIFA, das confederações, dos ´tribunais esportivos´, e das negociatas com as grandes redes de comunicação”...

Um projeto para o Internacional

“O futebol e as miragens. Não é possível o Internacional continuar administrado com métodos superados. Hora de um ponto final às entrevistas fantasiosas que analisam a derrota na base da ficção”.