Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

O advogado e a sociedade



Wortex Magazine – Google Imagens

Imagem da Matéria

PRIMEIRO PONTO: No Brasil comemora-se o Dia do Advogado na data de 11 agosto. Atualmente, a comemoração abrange todo o mês de agosto, conforme significativa agenda da OAB, com pautas importantes sobre o interesse da classe e da sociedade. A data diz com a fundação dos primeiros cursos de Direito no Brasil, a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, conhecida como as “Arcadas”, e a Faculdade de Direito de Olinda, ambos criados por D. Pedro I, em 1827.

Adotou-se, aqui, por algum tempo, a prática portuguesa de, nesta data, os estudantes de Direito frequentarem bares e restaurantes e não pagarem suas contas, dando origem ao chamado “Dia do Pendura”. Com a proliferação de cursos de jurídicos o costume foi se esgotando, tornando-se inconveniente. Uma brincadeira que, com o tempo, passou a ser de mau gosto e, portanto, abandonada.

Na Constituição, o advogado exerce mister e função indispensáveis à administração da justiça. Dizendo com outras palavras, não se faz justiça sem o advogado. Pode-se ir além, afirmando-se que não há democracia nem Estado de Direito sem a presença do advogado.

É o advogado o representante da justiça, da liberdade e da cidadania.

SEGUNDO PONTO: A origem da advocacia, pelo menos no âmbito da história portuguesa-brasileira, remonta à Idade Média, quando as primeiras universidades surgiram, muitas delas sob o domínio dos monges e da Igreja. O Reino de Portugal foi se organizando com editos e ordenações, ganhando feição de uma ordem jurídica.

Porém, a maior parte dos que detinham interesses a serem resolvidos em lides perante magistrados do Reino não detinha o conhecimento e, quiçá, o domínio da palavra escrita.

Foi quando surgiram os “vozeiros”, na maior parte das vezes nobres ou jovens eruditos, que detinham o conhecimento e emprestavam sua voz às partes em conflito. Nascia a figura daquele que falaria por seus constituídos: o advogado.

No império de Pedro I - cantado em versos por Camões, por seu romance digno das páginas cinematográficas de Hollywood com a espanhola Inês de Castro – ele era homem de poucas palavras e muitas ações. Foi ali que, frente às frequentes reclamações dos magistrados, de que os processos não conseguiam chegar a bom termo por conta dos “vozeiros”, imprimiu um decreto condenando à morte esses mesmos “vozeiros” que recorriam das decisões judiciais.

É fato que esse decreto não se sustentou por muito tempo, vindo a ser revogado por sucessor de Pedro I. Mas a história mostra como foi difícil e árdua a caminhada do advogado até os dias de hoje: de proscrito à defensor da Justiça.

Parabéns a todos os advogados, na sua semana, no seu mês de comemoração.


Comentários

Eduardo Silva De Oliveira - Advogado 14.08.18 | 13:26:48
Bem já o disse Sigmund Freud: noutros tempos queimariam a mim (em vez dos livros).
Leonardo Handler - Advogado 14.08.18 | 10:35:06

Parabenizo com admiração a Dra. Elaine Harzheim Macedo, querida professora, pelo belo texto e seu interessante conteúdo.

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Pílulas eleitorais

“O povo brasileiro, de um modo geral, se queixa de que são sempre os mesmos políticos a ocupar os cargos eletivos. A pergunta é: quem vota neles?”

O “Código Cartorário”

“Ele não é escrito, mas vigora nos cartórios judiciais, cíveis ou especializados, de um modo geral. Todas as suas regras homenageiam a Deusa da Burocracia, em detrimento da Deusa Themis”.

O voto em trânsito: exercício de cidadania

“O eleitor pode requerer para votar fora de seu domicílio eleitoral. Para tanto, deve se cadastrar em qualquer cartório eleitoral até 23 de agosto, postulando para ser incluído em uma seção eleitoral do local onde pretende estar nas datas da eleição, primeiro ou segundo turno - ou em ambos”.

Os partidos políticos e “O Homem Que Calculava”

“Um problema: o pai deixara como herança, a três filhos, 35 camelos, que deveriam ser divididos da seguinte forma: metade para o filho mais velho; 1/3 para o filho do meio; 1/9 para o filho mais novo. A solução seria matar alguns