Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

Claudiomiro Estrais Ferreira, tanque de guerra, bigorna e matador



Google Imagens

Imagem da Matéria

Com o avançar do tempo, em doses homeopáticas, perdemos as nossas referências pessoais, desde as mais próximas até aquelas mais simbólicas. Há uma história para a humanidade, uma história para os povos e uma história pessoalíssima, decorrente da nossa existência.

Faz parte da história, em uma época que o mundo era muito menor, na década de 60, comprar material esportivo na Cauduro. A meia cinza do Internacional, a camisa preta do inesquecível Gainete. A vida era muito diferente, pois se quiséssemos o emblema do clube, ele era comprado separadamente e costurado no uniforme.

Eu admirava o Gainete, na realidade queria ser o Gainete, como todos os meninos desejam em ralação aos seus ídolos. O meu uniforme de goleiro era completo, com aquele calção preto estofado na lateral e com as joelheiras de feltro branco.

Mas para a minha geração de colorados havia uma outra referência inesquecível, o nosso Claudiomiro. Ele suscitava alguns apelidos marcantes. Lembro do meu pai chamá-lo de tanque de guerra, bigorna, etc. Tudo indicando força e invencibilidade.

Lembro muito bem dele, especialmente pelo gol marcado no Beira-Rio, o primeiro em um adversário. Ele era baixo, forte, econômico nas palavras e com uma expressão facial de poucos amigos. No linguajar de hoje, seria chamado de matador.

Claudiomiro era alvo de piadas e a ele era atribuída a autoria de frases que não sabemos se disse ou não disse, mas que eram sempre repetidas em tom de veracidade.

Não importa mais, pois o Claudiomiro com todas as suas circunstâncias, folclóricas ou não, ingressou na história do Internacional, do futebol e da nossa história. Porto Alegre comentava o fato do Claudiomiro ser visto ao volante de um possante e vistoso Dodge Dart. À época, isso significava o máximo em termos de sucesso na carreira do jogador. O sucesso era mensurado pelo carro e pela casa.

Dificilmente um jogador, mesmo com a qualidade do Claudiomiro, tinha a chance de ser contratado por um clube europeu. Como disse, o mundo era pequeno e Porto Alegre ainda menor. As comunicações eram locais e algo que ocorria em um outro continente somente era conhecido aqui, dois ou três dias depois.

Sempre tive pena de alguns jogadores que, para mim, viveram na época errada e o Claudiomiro foi um deles. Alguém pode imaginar os efeitos do seu despontar no futebol se fosse nos dias de hoje? Eu imagino, ao menos financeiramente.

Ele seria mais um a receber muitos dólares ou euros e certamente patrocinado por uma grande marca do futebol. Mas o tempo era o da Loja Cauduro, na Rua José Montaury, ao lado da Galeria Chaves.

Quando passei a atuar como dirigente do Internacional, seguidamente encontrava o Claudiomiro no pátio do estádio ou, ainda, em eventos consulares realizados no interior. Deparei-me com a banalização do que, no passado, seria excepcional. Nunca deixei de parar para cumprimentá-lo em uma merecida homenagem ao atleta admirável.

Nesse ato, também há a nostálgica reverência à vida de então, onde o sonho, a esperança e a felicidade eram de pouca complexidade. Fica aqui o registro do reconhecimento e admiração ao Claudiomiro, aquele que nos fez vibrar e acreditar na nossa paixão vermelha.

Claudiomiro enfrentou várias dificuldades, mas teve sempre o afeto da torcida e o apoio do Internacional. Que ele esteja em paz, pois durante muito tempo estará presente em nossa memória.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Gre-Nal, a hora da verdade

“Aproveitemos o momento para deixar um pouco de lado as raivas acumuladas, seja pela falência da nossa economia, seja pela destruição moral e ética do nosso país ou até mesmo pela incineração de parte da nossa memória histórica. Somos torcedores e não bárbaros. A convivência faz parte do processo civilizatório”.

TDP – Transtorno delirante paranoide

“De tanto ler acerca da tal de IVI – Imprensa Vermelha Isenta, sou provocado por uma afirmação autofágica do colunista do espaço Jus Azul”.

16 de agosto de 2006

“A data em que o Inter foi campeão da Libertadores. Nunca fui daqueles que oportunisticamente passam fustigando o rival. Aplica-se o óbvio: nós somos nós, e eles são eles. A história não serve para consolo, mas é ela que forja o futuro. Aquela conquista tem um nome que a simboliza: Rafael Sóbis”.

Bem-vinda a primavera vermelha!

“Estamos retornando à elite do futebol brasileiro. Não estamos disputando a permanência na primeira divisão, mas o topo da classificação. Estamos otimistas, para ganhar o título que perseguimos e que nos foi surrupiado em 2005”.

Ah! Se eu jogasse como ele!...

“Há um papel para os jogadores, empregados do clube, regidos pela CLT e pelas disposições contratuais e outro àqueles que integram a estrutura orgânica, marcada pela natureza representativa”.