Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Afinal, Ronaldo Fenômeno rende-se à Justiça e paga indenização (R$ 100 mil) a jornalista gaúcho



Arte de Camila Adamoli sobre caricatura do cartunista Alpino – Yahoo.com.br

Imagem da Matéria

  Futebol no colo

Dezesseis anos depois de polêmico incidente nos bastidores do futebol, terminou na semana passada, a ação indenizatória movida pelo gaúcho José Aveline Neto, editor da revista Goool, contra Ronaldo Nazário de Lima – o Fenômeno.

Em julho de 2002, numa das folgas da seleção brasileira durante a Copa do Japão/Coréia do Sul, o jornalista começou a clicar o inusitado, numa boate da cidade coreana de Seogwipo: no meio de um grupo de vários atletas brasileiros, Ronaldinho Gaúcho dançava no colo de acompanhantes – segundo escrito nos autos processuais.

Aveline clicou, mas – reagindo com espírito de equipe - Ronaldo Nazário tomou-lhe, na marra, a câmera e a passou a seus seguranças, que distribuíram encontrões. O aparelho e a película com as imagens nunca foram devolvidos. O acórdão resume que “Ronaldo Nazário foi prepotente e atrabiliário, condição muitas vezes presente em quem chega ao status da fama”.

O preço final da conta jurídica foi R$ 100 mil – cifra paga na última sexta-feira. Outros detalhes:

A) Segundo a sentença, “mesmo que o autor estivesse tirando fotografias suas sem autorização, não poderia Ronaldo Nazário apropriar-se da máquina fotográfica e do filme que estava dentro dela”.

B) Conforme o acórdão, “o dano moral é superlativo e in re ipsa pela humilhação a que foi submetida a vítima, diante de todos os circunstantes, ou seja, os presentes na folgazã folia da noitada”.

C) O relator considerou o dano superlativo pelo fato de “ser o agressor uma celebridade - fala-se, aqui, do decantado, do festejado jogador de futebol que, por força de seus reconhecidos méritos, passou à história do futebol mundial”. Mas arrematou que Ronaldo Nazário “foi prepotente e atrabiliário, qualidade muitas vezes presentes em quem chega ao status da fama”. (Proc. nº 0000230-22.2005.8.19.0209).

 Futebol patrocinado

Chegou ontem ao Foro Regional da Barra da Tijuca, no Rio, uma ação da Universidade Brasil – sediada em São Paulo - que pretende condenar a Confederação Brasileira de Futebol ao pagamento de uma indenização de R$ 30 milhões. O treinador Tite é o pivô de desavença.

Segundo a petição inicial, “a CBF violou o direito de exclusividade por conta de uma propaganda que Adenor Leonardo Bachi, o Tite, fez para uma universidade concorrente, a Uninassau”.

A autora – que até maio passado era uma das patrocinadoras da seleção – sustenta que “o contrato, firmado em dezembro de 2017, proibia funcionários da CBF de promoverem marcas concorrentes”.

E arremata que “o técnico de futebol não é um mero funcionário, mas sim o principal e o mais conhecido”. Será uma longa demanda.

 Futebol milionário

Com goleada financeira, a modesta Associação Desportiva Icasa, de Juazeiro do Norte (Ceará), ganhou em primeiro grau uma milionária ação contra a mesma CBF. Sentença da Justiça carioca concedeu, semana passada, indenização de R$ 21 milhões por danos morais e materiais ao clube cearense.

É que em dezembro de 2013 o Figueirense (SC) voltou ao Brasileirão ao se classificar em 4º lugar na Segundona, alcançando um ponto a mais do que o Icasa. Nesse ano, o Palmeiras foi o campeão da Série B.

Só mais tarde houve a comprovação de que o clube catarinense utilizara o armador Luan Niedzielski irregularmente em um dos jogos – sendo beneficiado pela omissão da entidade, que admitiu o erro. O atleta tinha contrato em vigor com o Metropolitano de Joinville (SC).

O Icasa ficou em quinto, não teve sucesso no STJD, tendo que amargar a permanência na Série B e, em queda livre, um ano depois, foi rebaixado à Série C do certame brasileiro. No estadual, também entrou em baixa, estando na Série B do campeonato cearense. Não há trânsito em julgado.

 Futebol político

O advogado Romildo Bolzan Júnior já era gremista, então com 33 de idade, “estava” prefeito de Osório (1993/1996) e naturalmente não imaginava ser, duas décadas depois, o bem-sucedido presidente do Grêmio Porto-Alegrense.

Na sexta-feira passada (31), uma ação civil pública iniciada em 2002, movida pelo Ministério Público contra Romildo e seu então secretário da Fazenda Pedro Francisco Schoffen, teve sentença de procedência.

Segundo o julgado, proferido pelo juiz Juliano Pereira Breda, “o então prefeito mandava não cobrar os tributos dos inadimplentes por simpatia e amizade, e ele e o secretário não faziam a inscrição em dívida ativa de contribuintes devedores do município”.

O prejuízo do município, em valor nominal, foi de R$ 700 mil. Com atualização monetária a cifra chega a R$ 3.633.583,80. Aplicados os juros legais (R$ 937.464), o total vai a R$ 4.571.047,00. O cálculo é extraoficial.

Os dois réus deverão ressarcir o prejuízo do erário municipal e tiveram a suspensão dos seus direitos políticos (seis anos para Romildo; cinco anos para Schoffen). Não há trânsito em julgado. (Proc. nº 059/1.04.0001960-6).

Leia a íntegra da sentença


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Política irracional brasileira: Congresso prepara a criação de 400 novos municípios

 O jeitinho de políticos locais na criação dos próprios distritos eleitorais: 400 novos cargos de prefeito, outro tanto de vice-prefeitos, no mínimo 2.000 secretários e 3.600 vereadores. Mais os assessores e os penduricalhos.

 No STJ, uma ação da Apple contra a Gradiente, discutindo o direito do uso da marca iPhone no Brasil.

 A desvantagem de ser condenado por corrupção e a vantagem de receber uma pena por “caixa 2”.

O Grêmio Porto-Alegrense entra para o seleto grupo de “três clubes brasileiros que alcançaram o equilíbrio financeiro”.

Fraudes para ressuscitar prazos processuais perdidos

 O esquema lesou um banco, várias agências dos Correios e a prestação jurisdicional.

• Depois da condenação pelo TRF-4, Lula ingressou com 17 recursos. Um a cada 13 dias.

 Como a Justiça dos EUA trata advogados que defendem criminosos.

 Crise na Argentina derruba a fabricante dos incomparáveis sorvetes Freddo.

União pagará transplante quádruplo de criança brasileira nos EUA

• Menino de três anos precisa receber novos estômago, intestino, baço e fígado para sobreviver a uma síndrome rara. No Brasil, esse tipo de cirurgia é feito somente em adultos.

• Cármen Lúcia arquiva os pedidos de suspeição e impedimento contra Gilmar Mendes.

• Mudança na jurisprudência trabalhista. Decisão do TST concede adicional de insalubridade a camareira de hotel.

Olho vivo em suposta pesquisa sobre as eleições da Ordem gaúcha!

E-mail maroto - que se “identifica” como OabRsEleição2018 – pede a participação de advogados.

Senado aprova projeto de lei que extingue o reconhecimento de assinaturas e a autenticação de documentos.

Ex-sócio da Empiricus, preso pelo FBI, também lesou o grupo Zaffari (RS). Enquadramento penal prevê reclusão que pode chegar a 70 anos.

Afinal, o que é “empírico”?...

Acórdão tenta consolar pais de criança que morreu por falência do sistema público de saúde

  “Difícil dizer para os genitores, que fizeram o possível e o impossível para salvar o filho, que não havia mais chance de vida” - registra o julgado do TJRS.

  Advogado do casal autor da ação responde em petição de embargos declaratórios: “Os pais há muito já assimilaram a precoce partida do infante, mas jamais entenderão como homens públicos podem se omitir, de forma tão gritante e covarde”.

  Calendário dos próximos meses: a) Horário de verão a partir de 21 de outubro; b) a ´chocha´ agenda de Temer; c) faltam 122 dias para a posse do novo Presidente da República.

Uma ação popular com 12 anos e meio de tramitação no Foro de Canela (RS)

• Sentença condenou a Maiojama Participações a pagar indenização de R$ 25 milhões por irregularidades no aprazível empreendimento “Reserva da Serra” (foto acima).

 STJ reconhece direito de mulher ser indenizada pela morte (assassinato) do ex-namorado com quem ela teve uma filha.

 Juíza que chegou a ser punida pelo CNJ por mandar prender uma adolescente numa cela lotada por homens, vence a questão no STF e é promovida por merecimento pelo TJ do Pará.

 O perfil brasileiro da mulher que apanha.