Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 16 de novembro de 2018.

Castigo financeiro e caligráfico



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na cidade de 9,5 mil habitantes, a esposa reforçava a receita familiar trabalhando em casa, autonomamente, como massagista, atendendo primordialmente o público feminino. Eventualmente ela tratava clientes homens, geralmente queixosos de dores nas costas e artrose nos joelhos. O marido dela era acreditado professor do idioma pátrio, homem exigente com os padrões estéticos da caligrafia de seus alunos.

De repente, a massagista passou a ser acossada por telefonemas gerados por “número chamador não identificado”. Os primeiros foram só de sussurros; outros, sugeriram relações sexuais sem compromisso; mais tarde, vieram pedidos de namoro; e finalmente a insinuação de prostituição: “Quanto me cobras para fazer um sexo tão gostoso como as tuas massagens?” Todos rechaçados, evidentemente.

Depois de umas 20 chamadas despropositadas, houve registro policial e, com autorização judicial, o grampo do celular gerador. Este, logo foi identificado como pertencente a um viajante comercial, morador em cidade vizinha. A gravação de algumas das ligações revelou o crescimento da carga obscena.

Em juízo, o inquérito policial – para fins de ação penal – deu em nada. Mas a ação cível por “perturbação ao sossego e assédio sexual” teve sentença de procedência. O tribunal estadual verberou o abuso das comprovadas 45 ligações e confirmou a indenização que, com os acréscimos, chegaria a R$ 11 mil. (Algo como 2,5 “auxílios-moradia”...).

Na fase de cumprimento de sentença, o oficial de justiça não localizou bens do executado e o Banco Central conseguiu bloquear ínfimos caraminguás na conta corrente prospectada. No início de setembro houve o acordo, cuja essência talvez tenha sido concebida pelo marido da massagista – professor, como se viu.

É que além de pagar R$ 7.000 em dez parcelas de R$ 700 – o assediador aceitou um moral castigo caligráfico: em duas dezenas de folhas de papel A-4, teve que escrever 200 vezes, de próprio punho, de forma legível, uma frase pungente para ele: “Devo respeitar as mulheres!”.

No fecho da última folha, a definitiva capitulação do valentão sexual: “Peço desculpas à massagista ofendida”. Como arremate, passou pelo constrangimento de ir ao tabelionato para o reconhecimento, por autenticidade, de sua assinatura.

Na semana passada, o acordo foi homologado. Sem segredo de justiça.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O salvamento da justiça

 

O salvamento da justiça

Apesar de advertido pelo colega de jurisdição, o magistrado embriagado lança-se ao rio, a pretexto de nadar. Começa a afogar-se, mas, felizmente, é salvo por circunstantes. Devolvido à terra firme, o juiz comemora em tom etílico: “A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos”...

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.