Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

A aritmética da oposição às eleições da OAB-RS: chapa com 71 homens e 71 mulheres



Arte de Camila Adamoli sobre imagem VIX

Imagem da Matéria

 Paridade oposicionista

O movimento de oposição às eleições de final de novembro para a OAB-RS definiu, no fim de semana, a efetiva paridade entre os gêneros masculino e feminino para a formação na chapa que terá um interessante apelo: “Mulher não vota em quem veta”. Os 142 cargos disponíveis serão divididos paritariamente: 71 para homens, 71 para mulheres.

Como candidatos a titulares no Conselho Seccional serão inscritos 33 homens e 33 mulheres; outro tanto, numericamente, como pretendentes à suplência no mesmo órgão.

Os dez cargos de diretoria da OAB-RS e da Caixa de Assistência dos Advogados serão preenchidos por cinco postulantes homens e cinco mulheres.

E para as seis vagas no Conselho Federal serão inscritos três advogados e três advogadas. “É a paridade que pregamos” – diz o pré-candidato à presidência Paulo Petri.

A propósito: o publicitário Alfredo Fedrizzi é quem está cuidando da imagem e da publicidade da chapa de oposição.

Depois de 30 anos comandando a Agência Escala, Fedrizzi – que dela se desligou em maio de 2017 - agora trabalha com gestões de imagem e reputação.

  Realidade situacionista

A seu turno, o que a situação na Ordem gaúcha tem definido é que Ricardo Breier concorrerá à reeleição, faltando escolher quem será, do gênero feminino, sua companheira de chapa.

O movimento OAB Mais, que está no poder desde 1º de janeiro de 2007, tem um problema de composição, entre grupos, na divisão de cargos. Os atuais vice-presidente Luiz Amaro Pellizzer e 1º secretário Rafael Braude Canterji tinham pertinentes aspirações presidenciais.

Porém estas, ao que tudo indica, não serão atendidas.

 Para açucarar

Interessado no desfecho de um possível segundo turno, o ex-ministro da Fazenda (governo Sarney) Luiz Carlos Bresser-Pereira tem procurado aproximar grandes empresários, entre eles Abílio Diniz (81 anos), do petista Fernando Haddad.

Economista e bacharel em Direito, Luiz foi o criador do Plano Bresser (1987) que aumentou impostos e congelou salários, preços e câmbio por 90 dias, na expectativa de combater a inflação. Esta, que antes do “plano” era de 23% anuais, atingiu 366% seis meses depois. Bresser então foi substituído por Maílson da Nóbrega.

Fora da política, Bresser foi exitoso participante das negociações para a libertação de Abílio Diniz, capturado em 11 de dezembro de 1989, por dez sequestradores, de vários países sul-americanos ligados a um pretenso movimento de esquerda, com a suposta participação de petistas.

Detalhes argentários: Diniz foi eleito pela revista Forbes, em 2016, a 477ª pessoa mais rica do mundo, 14º lugar entre os brasileiros. Ex-controlador do Grupo Pão de Açúcar, Diniz atualmente está cacifado como presidente do Conselho de Administração da Península Participações, presidente do Conselho de Administração da BR Foods, membro do Conselho de Administração do Grupo Carrefour e sócio majoritário das Casas Bahia.

 Trabalhadores do Brasil

Uma pesquisa qualitativa realizada por uma empresa de Curitiba pediu a 3.000 eleitores, em tosos os Estados brasileiros, que definissem, independentemente da verdadeira ocupação ou formação profissional, cada candidato citando uma profissão. O resultado produziu surpresas. É assim:

Jair Bolsonaro, militar;
Fernando Haddad, professor;
Ciro Gomes, motorista de táxi;
Geraldo Alckmin, funcionário público;
Marina Silva, enfermeira; Álvaro Dias, advogado;
Henrique Meirelles: professor de matemática.

No sonho de ser presidente da República, Henrique Meirelles gastou R$ 45 milhões até aqui, da própria riqueza. Ele está com 2% das intenções de votos. Considerando os (estimados) 147 milhões de brasileiros que irão às urnas, o ex-banqueiro e ex-ministro tem 2,9 milhões de simpatizantes.

Assim, o “professor de matemática” Meirelles já deve ter concluído que cada voto lhe “custou” R$ 15,52. Como precisa do apoio de 75 milhões de pessoas (50% do colégio eleitoral), no mesmo raciocínio Meirelles precisaria colocar mais R$ 1 bilhão e 140 milhões no projeto.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Publicidade também dos processos judiciais criminais

 Promotor de justiça pede ao TJRS que implemente, com urgência, a pesquisa por nome nas ações penais.

 CNJ pede a desembargador do TRT-RS que explique manifestação política em favor de um dos candidatos à Presidência da República.

 Carnaval político: em 2019 no sambódromo carioca, uma homenagem a Lula ou a um bode do Ceará?

 Pela primeira vez na História, o Brasil melhora no ranking da corrupção da Transparência Internacional.

O jeitinho aritmético ensinado por juiz para ganhar e manter gratificação

  Em vídeo postado no fim-de-semana nas redes sociais, o ex-presidente da AJUFE da 2ª Região orienta como assegurar mais um penduricalho.

  Tartarugas em ação: o tempo médio de duração dos processos, no Brasil, passou de 26 meses para 33 meses.

  Afinal, o lançamento ontem (15) da candidatura de Ricardo Breier à reeleição na OAB-RS.

Legitimidade da esposa para queixa-crime contra autor de postagem que sugere relação extraconjugal homossexual do marido dela

  Caso decidido pelo STF virou tititi em Brasília, pois envolve revelação feita por um senador sobre supostas relações homossexuais entre dois políticos.

  Decisão do STJ considera o proveito econômico para balizar os honorários de sucumbência.

  CNJ afasta juiz por “desvio de conduta”.

 Correção monetária para o ressarcimento de tributos só após o 360º dia.

Simulação de casamento: o caso do sobrinho (19 de idade) que formalmente casou com uma tia-avó (84 de idade) para, quando ela falecesse, embolsar uma pensão de R$ 6.584 mensais

 Advogada porto-alegrense será indenizada pela American Airlines, após furto do conteúdo de mala, em voo internacional.

 Emoções jurídicas: discussão sobre direitos autorais, em shows de Roberto Carlos durante cruzeiros marítimos.

 A cara Justiça brasileira: em 2017, gastou R$ 90,8 bilhões em 31 milhões de processos.

A impossível convocação de uma Assembleia Constituinte desejada por Haddad

 Em qualquer democracia que mereça o nome, a Constituição só pode ser alterada por emendas submetidas a dois turnos de votação na Câmara e no Senado e aprovada por quórum especial (60%) de três quintos.

 Nas cláusulas pétreas não se mexe. Elas estão no artigo 60 da Carta Magna.

 O futuro Presidente da República e os 3% que ele poderá dispor no orçamento.

 A arrecadação do Brasil, do ano que vem, foi estimada em R$ 3,26 trilhões. Do total, R$ 1 trilhão e 560 milhões serão usados para pagar juros, amortizações e refinanciamento da dívida.

“No Supremo tem gabinete distribuindo senhas para soltar corruptos”

 Ministro Luís Roberto Barroso diz, em entrevista à Folha de S. Paulo, que “menos de 1% dos presos do sistema prisional brasileiro está lá por corrupção ou por crime de colarinho branco - tem alguma coisa errada nisso”.

• A sangria da Petrobras: só num acordo celebrado nos EUA, a estatal brasileira vai desembolsar US$ 2,95 bilhões: são seis vezes mais do que a operação Lava-Jato recuperou.

 A solução do pacote turístico embrulhado: multa por cancelamento não pode ser superior a 20%.

 Advogado invade gabinete do juiz, a quem coloca em nocaute.