Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

Tiroteio em fórum: juiz baleado e atirador morto



O juiz Carlos Eduardo de Moraes Filho foi baleado no ombro esquerdo, nesta segunda-feira (1º), dentro do Fórum de Vila Rica, a 1.276 km de Cuiabá (MT). Conforme informações da Polícia Militar, Domingos Barros de Sá entrou no fórum, foi ao gabinete do magistrado armado com um revólver calibre 22 e ambos entraram em luta corporal. Ainda de acordo com a Polícia Militar, ele era réu em uma ação por homicídio.

De acordo com a Polícia Civil, que passa a investigar o caso, o suspeito entrou no fórum ao lado de seu advogado. Os dois foram em direção ao juiz e ao promotor para pedir que fosse logo marcada a data do julgamento de uma ação penal, momento que o suspeito sacou uma arma de fogo e apontou na direção do juiz.

Um policial militar, que tinha ido levar um preso para uma audiência seguinte, sacou a arma de fogo e atirou contra o suspeito.

O juiz Carlos Eduardo foi encaminhado para o Pronto Socorro do município que fica próximo ao fórum. Depois de constatado o quadro clínico estável, o magistrado foi encaminhado ao hospital de Palmas (TO) – o mais próximo de Vila Rica – para cirurgia de retirada do projetil.

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos, foi para Vila Rica acompanhar o caso e avaliar a medidas a serem tomadas.

Na semana passada, também no Estado de Mato Grosso, o advogado Homero Nedel deu soco no rosto do juiz Jorge Hassib Ibrahim, na comarca de Paranatinga, sendo preso em flagrante.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.