Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Pílulas eleitorais



Chargista Nani

Imagem da Matéria

PRIMEIRO PONTO:

Falando, ainda, sobre as eleições – cujo processo ainda não terminou – vamos a algumas pílulas até para não causar indigestão a nenhum leitor ou eleitor.

O povo brasileiro, de um modo geral, se queixa de que são sempre os mesmos políticos a ocupar os cargos eletivos. A pergunta é: quem vota neles?

Mais uma vez a Geni dos descontentes ou incrédulos foi a urna eletrônica. Porém, num universo de mais de 140 milhões de eleitores, espalhados por um território com projeção geográfica de um continente - inclusive com fuso horário de duas horas entre o norte e o restante do país - a apuração das eleições estava encerrada cerca de três horas após o término da votação, lembrando que esse não se dá às 17, mas sim às 19h.

Apuração em tão curto espaço de tempo além de evitar desgastes e conflitos, é mais um elemento de segurança em favor dos resultados: a morosidade na apuração abre ensejo a interferências não desejadas.

E mais, quanto à sua segurança, a urna eletrônica foi aprovada pelo grupo de avaliadores internacionais da OEA que atuaram no Brasil nas eleições de 7 de outubro, inexistindo qualquer aspecto de dúvida quanto à segurança do voto eletrônico.

As cidades ganharam com as novas regras de propaganda de rua: praças e ruas limpas, sem poluição visual e de resíduos como papel ou plástico que acabam nos bueiros, escoadores e riachos.

SEGUNDO PONTO:

Para o segundo turno, começará o balcão de negociações. Quem apoiará quem?

O problema é: o eleitorado seguirá as orientações de seus respectivos partidos, de carteirinha ou de opção casual? Surpresas poderão ocorrer.

No segundo turno o que valerá mais? As redes sociais, como flagrantemente se deu no primeiro turno, ou o tempo de TV, dividido em partes iguais entre os candidatos?

As pesquisas erraram feio em algumas situações. A exemplo, o percentual de votos de Jair Bolsonaro na eleição presidencial, os resultados nas eleições para o Senado, no Rio Grande do Sul e em Minas Gerais, entre outros casos.

Nesse particular, deu de dez nas pesquisas o levantamento digital – que não é pesquisa! – do grupo Encuestas Digitales, cujo trabalho leva em conta o engajamento digital dos candidatos nas redes sociais, utilizando-se de projeções através de algoritmos dedicados. Por tal metodologia, Bolsonaro chegaria a cerca de 47,25% de votos, apresentando-se Haddad em segundo lugar. Foi quase!

O efeito “Lula” pode ter funcionado para as eleições presidenciais, colocando o PT no segundo turno, mas certamente não foi o caso das eleições para o governo dos Estados nem para o Senado.

E que venha o segundo turno, quando teremos mais pílulas.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O “Código Cartorário”

“Ele não é escrito, mas vigora nos cartórios judiciais, cíveis ou especializados, de um modo geral. Todas as suas regras homenageiam a Deusa da Burocracia, em detrimento da Deusa Themis”.

O advogado e a sociedade

“Pedro I (na tela com a espanhola Inês de Castro – com quem viveu tórrido romance), ante as frequentes reclamações de magistrados de que os processos não conseguiam chegar a bom termo por conta dos “vozeiros”, imprimiu um decreto condenando aqueles à morte, porque recorriam das decisões judiciais. A história mostra como foi difícil e árdua a caminhada do advogado até os dias de hoje: de proscrito à defensor da Justiça”. 

O voto em trânsito: exercício de cidadania

“O eleitor pode requerer para votar fora de seu domicílio eleitoral. Para tanto, deve se cadastrar em qualquer cartório eleitoral até 23 de agosto, postulando para ser incluído em uma seção eleitoral do local onde pretende estar nas datas da eleição, primeiro ou segundo turno - ou em ambos”.

Os partidos políticos e “O Homem Que Calculava”

“Um problema: o pai deixara como herança, a três filhos, 35 camelos, que deveriam ser divididos da seguinte forma: metade para o filho mais velho; 1/3 para o filho do meio; 1/9 para o filho mais novo. A solução seria matar alguns