Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 16 de novembro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Uma virada histórica



PONTO UM

Findaram as eleições de 2018. Os resultados do segundo turno, para governadores e para Presidente da República, não chegam a surpreender. De um modo geral, as pesquisas acertaram mais; quando muito ocorreram alguns equívocos nos percentuais. Até é fácil compreender: pesquisar entre opção A e B não é o mesmo que pesquisar entre diversos nomes e tendências.

A merecer destaque, o eleitor! Foi mais participativo, interativo, exercitando o seu voto com muita civilidade. Fez-se ouvir, indo às ruas e circulando pelas redes sociais, embora, por vezes, valendo-se das “fake news”, ponto negativo e que em nada agrega à democracia. Mas os resultados também apontam para algumas novidades, como a figura do novo político.

Wilson Witzel no Rio de Janeiro, Romeu Zema em Minas Gerais e Ibaneis Rocha no Distrito Federal são exemplos significativos dessa tendência, que representa um redondo não à velha política.

PONTO DOIS

Para Presidente da República, Jair Bolsonaro representa um fenômeno eleitoral a ser melhor estudado. Depois de quatro pleitos com a vitória do PT, é eleito para presidente um candidato filiado ao PSL. Bolsonaro ganhou nos Estados do Sul, Sudeste, Centro-oeste, Norte (com exceção do Pará). Haddad ficou com os Estados do Nordeste.

O partido de Bolsonaro não é um partido tradicional, obteve registro no TSE em 1998. Aliás, é possível que a maior parte de seus eleitores sequer saiba qual o partido a que ele está filiado. Seu programa é desconhecido ou quase isso. Optou pelas cores da bandeira, avocando um sentimento nacionalista em brasileiros descrentes com a política; está nas redes sociais há quatro anos, construindo espaços; adotou um discurso anti-PT; não economizou posições polêmicas, por vezes assustadoras para uma sociedade do século XXI. O fato é que recebeu mais de 55% dos votos válidos neste segundo turno, legitimando-se pela vontade popular para governar o país de 2019 a 2022.

Em seu discurso de vitória prometeu quebrar paradigmas e fortalecer o federalismo: “mais Brasil e menos Brasília”. Se essa promessa for cumprida, seu mandato já se justificará.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Agora é lei...

“A Lei nº 13.728/18, que agregou ao Estatuto dos JECs o artigo 12-A, dispõe que, na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, para a prática de qualquer ato processual, inclusive para a interposição de recursos, computar-se-ão somente os dias úteis”.

Sobre o voto em branco... ainda !

Qual mensagem o eleitor, que assim vota, estará transmitindo? ´Não escolho nenhum dos candidatos porque rejeito a ambos!´. Ou, ´concordo com qualquer dos candidatos!´...

Pílulas eleitorais

“O povo brasileiro, de um modo geral, se queixa de que são sempre os mesmos políticos a ocupar os cargos eletivos. A pergunta é: quem vota neles?”

O “Código Cartorário”

“Ele não é escrito, mas vigora nos cartórios judiciais, cíveis ou especializados, de um modo geral. Todas as suas regras homenageiam a Deusa da Burocracia, em detrimento da Deusa Themis”.