Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 16 de novembro de 2018.

Casa de marimbondos



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Sobre a mesa do juiz estão os autos de uma carta precatória para a avaliação de uma colheitadeira, penhorada três anos antes, pelo banco que concedera o financiamento. O magistrado se surpreende com a certidão lavrada pelo oficial de justiça-avaliador.

Atenção para os detalhes: “Certi?co que estive na propriedade do devedor, constatando tratar-se de máquina de cor original vermelha, mas bastante gasta e já parecendo bege. Tem capim alto ao redor, mas dá para notar que está sem as rodas. O tubo dianteiro que corta a lavoura está enferrujado. Na traseira, a parte superior tem um grande amassado decorrente da queda de um galho de grande árvore atingida por um raio. Do lado direito, que é por onde o operador entra, não dá para notar se tem escada de acesso à cabine, mas percebi que o banco está roído”.

O oficial não dá qualquer detalhe financeiro útil ao valor da alienação judicial.

O juiz chama o servidor, orientando-o a que “complemente com dados de real interesse a avaliação atual do bem, não perdendo tempo com minúcias despiciendas”.

Dois dias depois, o oficial devolve os autos ao gabinete, com outra minuciosa certidão.

De novo, atenção para os detalhes: “Deixo de estimar presumível valor para a colheitadeira, que é ano 1985, porque não pude me aproximar da mesma, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa. Os insetos, só com o balançar do capim perto da máquina, ?cam alvoroçados, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

E um arremate certificado: “Em respeito ao MM. Juízo, complemento que cheguei a discutir com o devedor da possibilidade de queimarmos a casa dos insetos, mas ele resistiu e me convenceu que, como depositário, poderia se complicar, pelo risco do fogo dani?car o bem. Dou fé.”

O magistrado determina a devolução da carta precatória à origem, “com as escusas deste Juízo, face à impossibilidade de uma precisa avaliação, porque tal máquina, mesmo se oferecida a alguém, certamente não encontraria interessado com coragem de carregá-la dali”.

A “rádio-corredor” da OAB local irradia, no dia seguinte, irônica informação: “Os marimbondos tomaram posse da máquina e preparam-se para ajuizar ação de usucapião”. A advogada será a Doutora Tartaruga Jurisdicional.


Comentários

Nario Fagundes Da Silva Júnior - Contador 06.11.18 | 11:08:56
Assim como Dr. Adroaldo, penso que o juiz Sérgio Moro poderia esperar a próxima vaga do STF, pois abandona uma carreira brilhante e ainda corrobora com seus acusadores de plantão que teria lado nas questões da Lava-Jato, com o famoso "Eu não disse?". Mas, considerando que a decisão foi tomada, torço demais ao nosso "paladino da Justiça", que tenha sucesso nessa empreitada, que consiga fazer a diferença e tão logo surja disponibilidade na corte suprema, onde ele tem maior vocação,
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O salvamento da justiça

 

O salvamento da justiça

Apesar de advertido pelo colega de jurisdição, o magistrado embriagado lança-se ao rio, a pretexto de nadar. Começa a afogar-se, mas, felizmente, é salvo por circunstantes. Devolvido à terra firme, o juiz comemora em tom etílico: “A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos”...

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.