AlĂ­nea 13, conta encerrada


Meados de janeiro, o microempresário calçadista entrega a lojista da Capital duas dúzias de pares de sandálias femininas e recebe um cheque pós-datado: “Bom para 05.02.2018”.

Na data ajustada, a cártula é depositada e, dois dias depois, devolvida, com sombria observação: “Alínea 13: Conta encerrada”.

O lesado procura um acreditado advogado local (deste, o nome não vem ao caso) e, na visita, exibe o cheque que fora devolvido. Exato valor do iminente prejuízo: R$ 2.000,00.

O advogado sustenta previamente o valor de honorários contratuais antecipados: R$ 2.500. E logo justifica:

- Sou um ético seguidor da tabela da OAB.

O cliente rebate:

- Não há lógica em pagar mais ao advogado do que, como credor, me caberia no hipotético êxito da cobrança do cheque.

Ao que o causídico prontamente arremata:

- Tem a murrinha toda de ajuizar a ação, suportar a lerdeza processual, ir ao foro umas dez vezes, enfrentar o assessor e o estagiário. E, principalmente, o caro cliente estará pagando pelo gostinho de receber. Isso tem seu preço!...