A pomba que “acertou” cabeça e paletó da autoridade...


Sobre “O juiz autêntico e a testemunha mentirosa”

“Pertinente o Romance Forense da edição de terça-feira passada (15). Como repórter que cobriu o Judiciário, sempre

dei mais atenção às câmaras em que atuaram os desembargadores Marco Antonio Barbosa Leal e Maria Berenice Dias, pois não faziam negaça coma Imprensa. Em 2006, dias após assumir a presidência do TJRS, o Dr. Marcão foi visitar a direção do Correio do Povo. No salão nobre, alguém notou algo estranho no cabelo dele e fez discreta observação. Resposta pronta do magistrado: "Deve ser merda!".

Ele passou a mão em sua cabeça, viu e falou: “Eu não disse?”...

A explicação: ele ficara esperando alguém da comitiva, à frente do prédio, na esquina da Andradas com Caldas Júnior e... uma pomba o ´acertara´ na roupa e cabeça. No paletó, ele tinha visto. Marcão limpou a mão, passou um lenço sobre os cabelos, deu um jeito, e seguiu a conversa da visita protocolar. Era o autêntico Marco Antônio Barbosa Leal”.

(Ass.): Jurema Josefa, jornalista.

Sobre “Diário de um home-office”

“Com a experiência de quem já fez muitíssimos home offices (entre 2002 e 2008!), digo que a situação contada no Metaforense retrata muitos profissionais no momento. Não foi o meu caso, mas sei de colegas que enfrentaram - e enfrentam - a mesma situação, então e hoje também. Além do profissional, a família também precisa disciplinar-se para o home office”.

(ass.) César Augusto Hülsendeger, auditor público externo, jubilado.  

Sobre “Justiça do Trabalho, não brinque com a advocacia gaúcha!”

“Perfeitas as considerações feitas pela Dra. Bernadete Kurtz a respeito das audiências tele presenciais. Realmente lamentável a imposição de diretrizes de modo antidemocrático e parcial pelo TRT-4.  Conforto para uns, violação de direitos de outros. Inaceitável”.

(ass). Maria Elisa Dexheimer Pereira da Silva, vendedora.

“A coragem, uma das muitas virtudes da autora do texto, advogada Bernadete Kurtz Felker, ecoa do artigo, testemunhado por todo o Brasil! Advogar não é para os covardes”.

(ass.) Karlla Patricia, advogada (OAB/MT nº 5.264). 

“O artigo da colega Bernadete, com absoluta certeza , contempla o pensamento da advocacia trabalhista gaúcha. Parabenizo-a pelo excelente texto”.

(ass). Silvia Lopes Burmeister, advogada.

Sobre “Um ´racha´ na OAB nacional”

“Que absurdo o pagamento pelo CF-OAB, a funcionário, de R$ 17 mil a título de aposentadoria vitalícia, enquanto milhares de advogados passam necessidade e são onerados pela Ordem com valores anuais expressivos e insuportáveis para muitos. A grande maioria dos advogados sequer consegue se aposentar com o teto máximo do INSS. Tenha vergonha, senhor presidente, eleito indiretamente”.

(ass). Virginia Barbagli, advogada.

Sobre “A incidência da proteção do CDC sobre as seguradoras e o princípio da paridade de obrigações”.

“Excelente explanação! Muito útil nos tempos atuais, quando muitas empresas não respeitam os consumidores de produtos e de serviços!

(ass). Caroline Mandracio Pereira, advogada.

“Parabéns ao advogado Paulo da Cunha pelo brilhantismo da exposição no artigo publicado e pelo valioso auxílio a todos os consumidores”.

(ass). Franklin J. M. Cunha, aposentado.

________________________________________________________________________________________________

Dê a sua opinião!

O Espaço Vital estimula a participação dos leitores. Opine, utilizando o formulário disponível abaixo em A PALAVRA DO LEITOR.