Família paulista remete R$ 50 bilhões regularmente para o Exterior


Hoje é 20.10.2020. Somando isoladamente os numerais, temos: 2+0+1+0+2+0+2+0 = 7.

Na numerologia, o sete é tido como um número de grande espiritualidade. Representa os dias todos da semana e as  cores do arco-íris. O 7 também é o número da perfeição, integra os dois mundos e é considerado símbolo da totalidade do Universo em transformação.

É hora de acreditar no fim da pandemia sanitária, moral, futebolística e jurisdicional.

Será em 11 de novembro o leilão judicial do Hotel Tropical de Manaus. Duas tentativas anteriores de leiloá-lo deram em nada.

Inaugurado nos anos 70 e fechado desde o ano passado, chegou a ser, outrora, o melhor hotel do Brasil.

Avaliado em R$ 182 milhões, pertence à massa falida da Varig.

Impressiona a informação publicada no domingo (18) pelo jornalista Lauro Jardim, na edição dominical de O Globo. É que uma família de São Paulo acaba de enviar ao exterior a estratosférica quantia de R$ 50 bilhões (com ´b` mesmo).

Tudo nos trinques, legal e regularmente.

Só a título de Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação os endinheirados recolheram a carga tributária de R$ 2 bilhões (sim, também com ´b´).

Os nomes constituem segredo bancário e tributário.

Está no STJ, em Brasília, uma das mais importantes colaborações premiadas da Lava-Jato. Vai tarrafear nomes do poder subterrâneo da magistratura fluminense.

O colaborador detalha tudo: datas, valores, números dos processos e as decisões judiciais que passaram por um argentário balcão de negócios.

Bem no padrão dos afanos que têm tisnado o Rio de Janeiro.

Gilmar Mendes bicou Luiz Fux na semana passada, em plena sessão do STF: “Não faz sentido a gente chegar do almoço e ser informado que há uma reforma regimental que será votada. Não é assim que se procede”.

Ontem (19), a reaproximação: Gilmar convidou Fux para que, como presidente do STF, fale no dia 17 de novembro no painel de abertura do 8º Fórum Jurídico promovido pelo IDP, de propriedade de Gilmar.

Será em Lisboa - “o melhor lugar do mundo para se morar” - segundo a opinião do viajor Gilmar.

Convite feito, convite aceito. Lá vão os dois.

- Ah, mais vai atrasar as pautas do Supremo - diria alguém inconformado com as supremas demoras.

Ao que o jubilado Bento de Ozório Sant´Hellena logo explicaria: “Ah, mais isso é outro departamento”...

E é...