Os caminhos para o Internacional


No futebol passamos por um momento difícil e na administração também e as sequelas serão expressivas.

Tenho a obrigação ética de comunicar aos meus ilustres leitores - diante do processo eleitoral que escolherá a próxima diretoria do Internacional - que fui convidado e anunciado como vice-presidente de futebol do candidato José Aquino Flores de Camargo - Reage Inter – Chapa 3 – caso ele seja vitorioso no próximo dia 15.

Será um enorme desafio diante da realidade do clube, mas para o qual estou preparado e disposto.

Pouco a pouco, tudo que foi construído ao longo dos anos no Internacional vem sendo destruído. Os torcedores colorados estão perplexos com o que estamos assistindo, uma total desagregação - e interesses alienígenas preponderando.

Como se diz, nada é tão ruim que não possa piorar.

Anteriormente alertei acerca do futuro nefasto que viria, se um determinado candidato fosse eleito e infelizmente acertei, mas agora quero errar pois o Internacional não resistirá a mais uma outra crise.

O ex vice de finanças (dívida de R$ 400 milhões), e ex vice de futebol (acumulou derrotas em Gre-Nais, sem ganhar um título sequer, que levou a política eleitoral para o vestiário e que possui apenas seis anos na vida do Inter) é candidato à presidência.

Caso ganhe o José Aquino (desembargador aposentado e agora advogado), ele terá uma tarefa: unir o Internacional, hoje diluído em movimentos políticos..

Nós temos a obrigação de afastar do Inter os aventureiros, o que não é difícil. Basta que, antes de votar, sejam comparadas as vidas de cada um dos candidatos: o que fizeram, o que fazem, a experiência no clube e, principalmente, o que motiva o desejo de presidi-lo.

A chamada votação no pátio será pela web, pois não podemos descuidar das possibilidades de contágio, pela Covid-19.

Toda a vez que o associado não vota, que não escolhe, alguém votará e com certeza abrem-se os espaços para os oportunistas - são aqueles que pretendem instrumentalizar um patrimônio de milhões de torcedores.

Os sócios do Internacional têm o futuro em suas mãos.