Uma república só de juízes


Por Lenio Streck, procurador de justiça aposentado, advogado, jurista

 

Neste retorno do Espaço Vital - após as férias coletivas da equipe - conto-lhes uma anedota só para aliviar a tensão, e que tem a ver-com-tudo-isso que estamos sentindo no Brasil.

Depois de um almoço pago pelas associações de classe de cada comensal (menos de um, como verão), saem do restaurante um magistrado, um membro do MP, um defensor público, um delegado federal, um conselheiro de tribunal de contas, um procurador federal e ... um advogado.

Eis que, de um chute em uma garrafa, exsurge um gênio, que concede um desejo para cada um.

O juiz, claro, é o primeiro a pedir:

- Quero uma república só de juízes!

Instantaneamente, o magistrado é atendido.

O membro do MP pede uma república só de promotores e procuradores, e assim por diante, até chegar a vez do advogado público, que pretende uma república... só de advogados públicos dos mais variados.

E o advogado - privado - fica ali, solito, com seu terno surradinho (ele, que teve que pagar o seu próprio almoço).

Então, o gênio lhe perguntou:

- Doutor, o que vai pedir?

E o causídico responde:

- Não quero nada. Apenas um cafezinho.

O meu estagiário de plantão, então, levanta uma placa: "A piada é autoexplicativa. Em 30 segundos ele se autodestruirá"!...