Aberta a temporada de caça à Cigarra Azul, que só pensa em folgas


No Brasil, até na arbitragem transformamos tudo em um voluntarismo. Mesmo o VAR, tornamos subjetivo. O VAR virou uma vigarice. Os árbitros distorcem, não dão bola e ficam reféns. Por aqui a coisa é difícil: prostituta se apaixona, traficante se droga e bolicheiro bebe toda a sua mercadoria. Bah! Os caras inventam um aparelho para evitar falcatrua. Não adianta. Aqui no Brasil apatifam. E explicam com a platitude: “É questão de interpretação”. Deu para ver no Gre-Nal.

Aliás, li as regras sobre o pênalti. Sim, sobre mão na bola e bola na mão. Quem teria inventado e desenvolvido aquilo? Vem aí o Globo Repórter: “Os inventores de regras. Como vivem? Como se alimentam? Como se reproduzem?”

Outro Globo Repórter: “Os comentaristas de arbitragem. Como vivem? Como se alimentam? Como se reproduzem?”