Lawyer management


O idoso advogado percebe que é chegada a hora de implementar no escritório as melhores práticas de gestão empresarial. Para tanto, contrata a consultoria mais comentada do momento.

Chegando ao escritório, o jovem consultor depara-se com um ambiente careta, antiquado. E percebe, de imediato, que terá muito trabalho pela frente.

- Antes de startar, já aviso que, normalmente, o maior inimigo da mudança é o próprio sócio da empresa - alerta o consultor. O senhor tem que estar preparado para mudar o mindset. Peço para que estabeleçam, desde já o budget para que eu possa fazer roadmap com todo backlog para setarmos os sprints do nosso SCRUM.

- Peço vênia, mas não compreendi metade do que o senhor disse - protesta o advogado.

- Também não sei o que quer dizer vênia, mas o botton line é que preciso saber a verba de que disponho para implementar as mudanças necessárias e que não são poucas. O primeiro passo é saber quais são os KPI’s.

- KPI’s? - questiona o contratante.

- Sim, os key performance indicators, ou seja, os indicadores que vocês usam para medir o desempenho da empresa e da equipe.

- Não temos indicador nenhum - responde o advogado, já começando a se sentir desconfortável com a abordagem do consultor.

Uau! Vocês não têm gestão, mesmo! - comenta o jovem coach.

O venerando advogado engole em seco o comentário, mas permite que o gestor prossiga.

- Vamos ter que implementar de tudo por aqui, a começar pelos KPI’s, mas também os 4P’s do marketing, os 5S, 5W2H, VRIO, BPI...

- Você tem que falar em siglas? - indaga o cliente, já com a paciência no limite.

- O senhor tem que conhecer cada uma dessas siglas, pois são os conceitos mais modernos do business. Do contrário, não poderá se considerar um CEO - retruca, com prepotência, o consultor.

O advogado prefere não responder. O jovem, por sua vez, prossegue:

- Vamos ter ainda que implementar SWOT, PDI, PDCA, e monitorar a implementação da nossa estratégia com um BSC - conclui o administrador, com um largo sorriso no rosto.

Mas aos olhos do advogado, o consultor escarnecia de sua ignorância, ao persistir na utilização da terminologia técnica que lhe era completamente estranha. Por essa razão, decidiu tomar uma medida extrema:

- Pois não vou contratar o senhor. Vou implementar o VTNC nesse caso - retruca o consulente.

VTNC?  Não estou familiarizado com esse conceito.

-  Pois é. É Preciso aplicá-lo, às vezes.

-  Vou pesquisá-lo, obrigado. Mas o senhor percebe que eu estava certo, no início, quando referi que, muitas vezes, o sócio é o principal inimigo da mudança.

Ao que o advogado simplesmente responde:

VTNC!...

(Com um incisivo ponto de exclamação)