Futebol de volta para o futuro. Mas transparĂȘncia escondida sob o tapete...


O Abelão conseguiu nos alentar: organizou o time - fazendo, que alguns jogadores jogassem - nos dando uma perspectiva de futuro

Este sempre é incerto, mas é possível no futebol ver quando ele existe, ou não.

Mas a perspectiva foi quebrada com a mentira de que havia um planejamento, moderno e infalível. Havia um treinador, ou uma promessa, que colocaria o Internacional em outro patamar. Houve um rompimento com o jurássico jeito de administrar o vestiário, pouco importando que com o Abel no comando, o Internacional se sagrara campeão de tudo.

A arrogância aventureira da chapa no curso da campanha eleitoral contaminou uma gurizada que o máximo que sabe, a respeito de administração clubística, é torcer.

Veio a posse e com ela o fiasco a que fomos submetidos – derrota sobre derrota.

Assumiram o fracasso e mudaram a postura adotando uma humildade de conveniência.

Sem rumo, sem saída, deram vários passos atrás, engolindo o discurso. Contrataram o Diego Aguirre, um bom treinador, mas não para o projeto deles. Viraram a página do cardápio e voltaram para o feijão com arroz, sem as alucinações anunciadas na campanha.

Depois de sete meses e fazendo o feijão com arroz estamos perto daquilo que o Abelão construiu.

Como sempre disse, poderíamos ter partido do caminho já percorrido, mas preferiram voltar para o início tentando apagar as pegadas deixadas pelo Abel.  No futebol - para aqueles que não acreditam em magia e milagres - tudo é fruto da continuidade e do trabalho.

Hoje, quase já terminando julho de 2021, é possível dizer que podemos acreditar no futuro. Com certeza estamos distantes do título brasileiro e teremos enormes dificuldades no funil da Libertadores. É possível constatar avanços – Taison, Thiago Galhardo, Daniel...

Enquanto isso o presidente do Conselho Deliberativo age como o nebuloso inverno gaúcho, indeferindo as medidas necessárias para esclarecer as enormes dúvidas acerca do processo eleitoral colorado.

Continua a prática de varrer a sujeira para baixo do tapete.