Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.

Morre espanhol que estava há 23 anos em coma após cirurgia plástica



Destaques

Imagem da Matéria

Um espanhol de 44 anos que passou 23 anos em coma por causa de uma cirurgia plástica morreu no domingo (28), um ano depois que sua família foi indenizada após uma longa batalha judicial. A luta levou os pais de Antonio Meño Ortega a acampar durante 16 meses, com o filho em uma cama improvisada, diante do Ministério da Justiça em Madri.

Ortega viveu em coma profundo desde que, em 1989, aos 21 anos, decidiu fazer uma operação estética no nariz.

O anestesista, acusado pela família de negligência, foi condenado em primeira instância por imprudência profissional, mas depois foi isentado em um recurso de apelação.

Os pais de Meño, padeiros aposentados, decidiram em 2009 acampar diante do Ministério da Justiça, quando uma decisão judicial pretendeu penhorar o apartamento da família para pagar os 400 mil euros (R$ 1,05 milhão) em gastos processuais, honorários advocatícios e gastos hospitalares.

Na ocasião, o aparecimento de uma nova testemunha - um médico que assistiu à cirurgia como estudante - levou o Supremo Tribunal da Espanha a reabrir o caso em 2010. Uma conciliação entre as partes permitiu finalmente que a família recebesse uma indenização de 1,075 milhão de euros (R$ 2,8 milhões) em julho de 2011.

A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Médico e hospital de Novo Hamburgo condenados por erro em parto

Lamentável demora (mais de 18 horas) no atendimento de gestante que deveria submeter-se a cesariana. E espantosa lentidão na tramitação de ação indenizatória que, do ajuizamento até a sentença, consumiu mais de nove anos.

O arranhão perigoso do gato

Justiça afasta negligência de hospitais e médicos, em caso de mulher arranhada pelo animal de estimação.

Cirurgia no olho errado causa indenização

Decisão do TRF-4 condena o Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Contestação sustenta que “embora tenha ocorrido o erro, o resultado foi benéfico para a paciente