Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

Patrimônios milionários



Wikipedia

Imagem da Matéria

José Maria Eymael: o mais aquinhoado dos candidatos à Presidência

Oficialmente inscritos na corrida eleitoral, os 11 candidatos a disputar a Presidência da República em outubro somam um patrimônio de R$ 23,4 milhões, de acordo com a declaração de bens entregue no TSE. A maioria dos presidenciáveis registrou elevação dos bens, na comparação com a última corrida presidencial, em 2010. A presidenta Dilma Rousseff (PT) teve 64% de aumento, enquanto o de Aécio Neves registrou variação de 303% e o de Eduardo Campos (PSB), de 5%.

Dono do maior patrimônio declarado, o advogado José Maria Eymael (PSDC) informou possuir R$ 17 milhões. A maior parte da renda dele se concentra em letras de crédito imobiliário em um banco: R$ 12,3 milhões. Ele é gaúcho de Porto Alegre, mas radicado em São Paulo, Estado pelo qual se elegeu deputado federal.

Contrastando com a fortuna de Eymael, o jornalista Rui Costa Pimenta (PCO) alega não possuir nenhum bem. Segundo o advogado do PCO Juliano Lopes, o candidato mora em casa alugada e não tem carro. Ele declarou a intenção de gastar, no máximo, R$ 300 mil na campanha.

Rui Costa, Dilma Rousseff e Aécio Neves foram os últimos a registrarem a candidatura no TSE. Com o lema "Com a Força do Povo", o PT estipulou que o limite de gastos da campanha será de R$ 298 milhões.

Já a coligação da chapa tucana, com Aécio Neves e Aloysio Nunes Ferreira, vai ser chamada de "Muda Brasil". A legenda estipulou um teto de R$ 290 milhões para os gastos com a campanha eleitoral. Em 2010, o então candidato tucano à Presidência, José Serra, registrou limite de R$ 180 milhões.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sem Senado, só OAB!

O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, põe fim à indecisão: desiste de concorrer a senador. “Não tenho como deixar a Ordem neste grave momento nacional” – diz.