Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

Políticos aproveitadores



Contrariando regra constitucional, senadores e deputados federais decidiram, na terça-feira (15), entrar em férias, o que esvaziará o Congresso Nacional até o final das eleições de outubro.

A legislação suspende o recesso no Legislativo (de 18 a 31 de julho) caso não seja votada a Lei de Diretrizes Orçamentárias, que define o embasamento para a elaboração do Orçamento da União para o próximo ano.

Como não votaram a LDO, os deputados e senadores recorreram à manobra de não marcar votações para julho. A mesma manobra de sair em férias mesmo sem terem votado a LDO já havia sido adotada no ano passado.

Em agosto, setembro e outubro, senadores e deputados permanecerão em seus Estados de origem, participando da campanha eleitoral - muitos são candidatos à reeleição. Há poucos dias de votação marcados para esses meses, mas a expectativa é de que não haja quórum.

Apesar das férias de mais de três meses, os 594 congressistas seguirão recebendo o salário de R$ 26,7 mil e as verbas vinculadas ao mandato.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sem Senado, só OAB!

O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, põe fim à indecisão: desiste de concorrer a senador. “Não tenho como deixar a Ordem neste grave momento nacional” – diz.