Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 26 de maio de 2020.

Mulher quer saber porque o marido acessa tanto o WhatsApp



Arte EV

Imagem da Matéria

Desconfiada de traição conjugal, uma mulher entrou na justiça de Santa Catarina para tentar obrigar o marido a mostrar as mensagens de WhatsApp. O caso inusitado apareceu no plantão de fim-de-semana do juiz Alexandre Morais da Rosa, na 4ª Vara Criminal de Florianópolis (SC).

O processo é de violência doméstica e corre em segredo de justiça. “Houve uma discussão com agressões, por parte do marido, porque a mulher queria saber com quem ele estava falando nas mensagens do celular”, explicou o juiz, em entrevista a jornais da capital catarinense.

Atualmente, o WhatsApp tem mais de 600 milhões de usuários em todo o mundo, o suficiente para ser protagonista de muitas brigas.

Na Itália, por exemplo, o aplicativo é citado em 40% das provas de infidelidade, em processos de divórcio e adultério. Os dados são da Associação Italiana de Advogados Matrimoniais.

Os amantes agora podem trocar fotos picantes de si mesmo e temos visto adúlteros usando o serviço para manter três ou quatro relações simultâneas”, comentou o presidente da entidade, Gian Ettore Gassani, ao jornal The Times.

A história do WhatsApp

WhatsApp Messenger é uma aplicação multi-plataforma de mensagens instantâneas para smartphones. A empresa com o mesmo nome foi fundada em 2009 por Brian Acton e Jan Koum, ambos veteranos do Yahoo! e está sediada em Santa Clara, Califórnia (EUA).

No dia 19 de fevereiro de 2014, o Facebook adquiriu a empresa pelo montante de 16 bilhões de dólares, sendo 4 bilhões em dinheiro e 12 bilhões em ações do Facebook, além de 3 bilhões de ações no prazo de quatro anos caso permaneçam na companhia.

Seus fundadores assumiram cargos no conselho administrativo do Facebook.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Camera Press

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

 

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

Uma pesquisa recém concluída diz que um algoritmo da plataforma da empresa subsidiária do Google recomendou um vídeo inocente de menina brasileira, de dez anos de idade, a usuários de conteúdo sexual. “Fiquei assustada com os milhares de visualizações” – diz a mãe da criança. As informações são do jornal New York Times.

CNJ sofre ataque de hacker

A invasão foi feita por uma pessoa que se intitula “Aline 1”.  Dados (nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas) de milhares de pessoas foram vazados.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.