Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.

Pornografia registrada



Direção TV Globo/Google Imagens

Imagem da Matéria

Uma ação movida pela atriz Carolina Ferraz contra a empresa mineira K1 e contra o NIC.br (Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto br) - instituição que registra os endereços de saites no país - pode mudar as regras da internet brasileira. A disputa começou em 2008, quando a atriz tentou criar www.carolinaferraz.com.br e descobriu que o endereço, registrado pela K1, estava associado a uma página de conteúdo pornográfico.
Em um primeiro grau, a Justiça carioca condenou a K1 ao pagamento de R$ 40 mil e impôs ao NIC.br a obrigação de cancelar o registro original e transferi-lo para a atriz (cujo nome civil é Maria Carolina Ferraz Anhalt Cohen), mas isentou a instituição de reparar o dano moral.
Na semana passada, o TJ do Rio proveu o recurso da atriz e obrigou o NIC.br ao pagamento de indenização (R$ 200 mil). Mas o caso ainda vai ao STJ.
O NIC foi criado pelo governo federal para ser uma central de registros de endereços de internet, não cabe ao órgão a responsabilidade sobre terceiros” – diz a advogada Kelli Angelini. "Quem faz o registro primeiro, ganha o direito de uso. Não cabe ao NIC.br a responsabilidade por checar se há má fé ou uso indevido. Não existe preceito legal para isso” – complementa.
É justamente o que a ação movida por Carolina Ferraz tenta mudar. "O órgão não pode permitir que uma empresa, como a K1, registre mais de 200 endereços para, depois, vendê-los a preços abusivos ou destiná-los a um uso inadequado", diz Ricardo Brajterman, advogado da atriz. (Proc. nº 0316405-55.2008.8.19.0001).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

 

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

Uma pesquisa recém concluída diz que um algoritmo da plataforma da empresa subsidiária do Google recomendou um vídeo inocente de menina brasileira, de dez anos de idade, a usuários de conteúdo sexual. “Fiquei assustada com os milhares de visualizações” – diz a mãe da criança. As informações são do jornal New York Times.

CNJ sofre ataque de hacker

A invasão foi feita por uma pessoa que se intitula “Aline 1”.  Dados (nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas) de milhares de pessoas foram vazados.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.