Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,08 de novembro de 2019.

Tudo sobre todos, incluindo você?



Empresa que disponibiliza dados pessoais de cidadãos sem autorização de seus titulares viola a Constituição, porque atinge os direitos à intimidade e à vida privada.

Essa foi a linha decisória adotada pelo juiz federal Magnus Augusto Costa Delgado, da 1ª Vara Federal de Natal, ao determinar que seja retirado do ar o saite Tudo sobre Todos. A página cobra pela consulta de data de nascimento, nome de parentes e até de vizinhos da pessoa procurada. Alguns dados, como endereço, aparecem gratuitamente.

Segundo o próprio saite, a fonte das informações são "cartórios, decisões judiciais publicadas, diários oficiais, foros, bureaus de informação, redes sociais e consultas em saites públicos na internet".

O Ministério Público Federal no RN entrou com ação na Justiça alegando que o saite fere “os direitos básicos dos usuários da internet, pois não há qualquer finalidade social em se permitir que particulares vasculhem livremente a vida privada uns dos outros”.

O juiz concordou com o argumento e concedeu liminar para que empresas brasileiras de internet criem “obstáculos tecnológicos” para inviabilizar o acesso à página, até o julgamento definitivo do processo. Como os servidores do Tudo sobre Todos ficam na Suécia, a decisão determina ainda que o Ministério da Justiça solicite ao governo daquele país a retirada provisória do saite.

A ré é a empresa Top Documents LLC, sediada nas Ilhas Seychelles, um arquipélago localizado no Oceano Índico, próximo à costa africana.

Além de citar a Constituição, o juiz avaliou que a conduta da empresa descumpre direitos de usuários descritos no Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) e na Lei 12.414/2001, que trata da formação de bancos de dados para fins comerciais e exige autorização prévia do potencial cadastrado. (Proc. nº 0805175-58.2015.4.05.8400 –

com informações da Assessoria de Imprensa do MPF-RN).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

 

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

Uma pesquisa recém concluída diz que um algoritmo da plataforma da empresa subsidiária do Google recomendou um vídeo inocente de menina brasileira, de dez anos de idade, a usuários de conteúdo sexual. “Fiquei assustada com os milhares de visualizações” – diz a mãe da criança. As informações são do jornal New York Times.

CNJ sofre ataque de hacker

A invasão foi feita por uma pessoa que se intitula “Aline 1”.  Dados (nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas) de milhares de pessoas foram vazados.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.