Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

Médico que matou a ex-esposa é preso durante palestra em que criticou a impunidade



Jornal da Cidade Online

Imagem da Matéria

A Polícia Civil de Goiás prendeu esta semana o médico mineiro Alfredo Carlos Dias Mattos Junior, de 47 anos, que estava foragido da Justiça após ser condenado por matar sua ex-mulher, Magda Maria Braga de Mattos.Ela morreu após ser dopada e receber uma dose de álcool no soro que ela tomava na veia enquanto estava internada

Alfredo Carlos, em 1999, já separado da ex-mulher Magda Maria Braga de Mattos, descobriu que ela estava namorando. Movido pelo sentimento de posse ou pelo machismo, resolveu matá-la. É o que consta no processo que condenou o médico a uma pena de 14 anos de prisão, considerado culpado de crime de homicídio qualificado.

O assassinato ocorreu em 28 de abril de 1999. Segundo as investigações, Magda Maria foi internada em um hospital de Nova Lima (MG) para fazer uma cirurgia e tratar dores abdominais. O ex-marido, conforme o Ministério Público, foi até o leito, dopou a mãe da vítima (companheira de quarto da paciente) com um suco e aplicou álcool no soro da ex-mulher, causando sua morte.

Condenado pelo tribunal do júri, o médico recorreu da sentença, alegando que era inocente. Ele aguardava o recurso em liberdade. Em março do ano passado, a decisão foi mantida pelo TJ-MG e um mandado de prisão contra ele expedido. Porém, ele não foi localizado.

Na terça-feira (18), provavelmente sem saber que a polícia estava no seu encalço, o médico dava uma palestra para estudantes de medicina em Rio Verde (GO). O filho do médico estuda na instituição e postou um panfleto na Internet sobre a apresentação, o que ajudou a polícia a encontrá-lo. A palestra tinha como tema a pena de morte.

Ironicamente, durante sua palestra, Alfredo criticou o sistema judiciário brasileiro, sustentando que a impunidade no país é preocupante, uma vez que a maioria dos crimes não é solucionada.

O médico estava morando há 10 anos em Goiás e já chegou a ser diretor do Hospital de Urgências de Goiânia. Ao ser detido, o médico alegou que era inocente e que a condenação foi injusta.

Ele está recolhido ao Presídio Municipal de Rio Verde (GO), aguardando a remoção já determinada pela Justiça de Minas Gerais. (Com informações do Jornal da Cidade Online).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Airton Jorge Veloso - Advogado 26.08.15 | 11:00:13
Esse e tantos outros casos não solucionados provam que de fato o nosso sistema não funciona a contento.
Cleber Santos Da Silva - Advogado 21.08.15 | 11:07:03

Que ironia da vida. Pautou a vida pelas verdades do homem e se quebrou. Mentiras e negação também conspiram no universo, só que em desfavor do homem.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Negado recurso de Lula que questionava legalidade de provas

A defesa queria a nulidade do material entregue ao MPF por autoridades suíças. A alegação – rechaçada pelo TRF-4 - foi de que “houve vícios nos procedimentos de cooperação internacional para a transmissão das provas”.

Acórdão com 80 laudas descreve o roteiro das fraudes com os alvarás

O servidor Gilmar Antônio Camargo de Oliveira – que chegou a estar preso preventivamente e, após, foi exonerado, contou que “no Juizado Especial Cível onde trabalhava estava uma confusão no arquivo”. O computador dele possuía um mecanismo para despachos avulsos, os quais não eram introduzidos no sistema. Três advogados foram peças essenciais ao plano delitivo. Dois deles são casados entre si.

Cadeia para advogado condenado por abusar sexualmente de duas crianças

Crimes ocorreram durante mais de dez anos. Cinco dias depois da decisão (6x5) do STF de permitir a prisão de criminosos só após o trânsito em julgado, o TJ de Santa Catarina decide na linha dos reclamos da sociedade. Ao estabelecer pena de 38 anos e 9 meses, na própria sessão de julgamento a 3ª Turma Criminal determinou a prisão preventiva do abusador, que tem 48 de idade. Ele já está preso.