Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 11 de agosto de 2020. Dia do Advogado.

O primeiro encontro entre pai e filha que não se conheciam



Jornal Integração – Cafelândia (PR)

Imagem da Matéria

Uma jovem de 21 anos, moradora de Cafelândia, no Oeste do Paraná, conheceu o próprio pai, na última terça-feira (15), após passar cerca de dez anos procurando por ele. Com a ajuda de colegas, Beatriz Natel descobriu que o pai, Francisco Coelho, trabalha na mesma empresa na qual ela é funcionária. Os dois atuam no setor de abates de uma cooperativa de Cafelândia, já haviam se cruzado por diversas vezes, mas nunca tinham imaginado a relação de parentesco.

Os pais de Beatriz se conheceram, no ano de 1993, em Assis Chateaubriand, também no Oeste do Paraná. Eles chegaram a namorar por alguns meses, mas a mãe da jovem, muito nova na época, já grávida precisou terminar o relacionamento e voltar a morar em Assis (SP), município onde ela vivia antes de conhecer o namorado.

A informação de que ela esperava um bebê, entretanto, nunca havia chegado aos ouvidos de Francisco, supostamente 'protegido' por familiares.

Francisco Coelho de 50 anos e Beatriz Natel de 21 anos passaram a vida toda separados. Com uma única lembrança em mãos, Beatriz procurou ajuda por meio de Internet e telefones para encontrar o seu pai, que não sabia de sua existência.

Após muitas buscas, Beatriz conseguiu realizar o seu sonho, dar um abraço em seu pai e conhecê-lo depois de 21 anos.

Atualmente, Francisco é casado com Geni Silva, no qual tem cinco filhos de criação, e são moradores de Nova Aurora, uma cidade próxima. Já Beatriz, reside em Cafelândia com uma amiga.

Geni apoiou Francisco a que ele fosse conhecer a filha biológica.

Com a ajuda da população, empresas e do jornalista Genésio Roecher, pai e filha realizaram o sonho, na semana passada, na sub sede do Sindicato dos Trabalhadores em Cooperativas.  O encontro emocionou todos que estavam presentes.

Francisco não conteve a emoção de encontrar sua única filha. O mesmo aconteceu com Beatriz, que emocionada agradeceu a todos que ajudaram com o encontro e declarou-se para seu pai.

Agora, pai e filha vão conversar e acabar com a saudade que esteve presente durante 21 anos. Na mesma empresa em que ambos trabalham, eles vão se encontrar diariamente. Pelo menos de segunda a sexta-feira. (Com informações da Folha de Londrina e do jornal Integração).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

O sexo das pessoas não se presta como fator de desigualação jurídica

Conheça a íntegra do voto divergente, que está prevalecendo (5x3) no caso de Sergipe. Na hipótese dos autos, o recorrente alega ter mantido união estável concomitante com o ´de cujus´. Ou seja, paralela à união estável mantida entre o instituidor e a companheira já reconhecida, haveria uma segunda união estável, homoafetiva.

“Pai também é quem cria !”

Uma rara ação envolvendo questões familiares, decidida com elogiável rapidez pelo Judiciário gaúcho: do ajuizamento até a sentença, apenas 41 dias de tramitação. Um acordo entre três partes, envolvendo vínculo parental.