Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 7 de julho de 2020.

Advogada gaúcha obtem mandado de segurança contra erro grosseiro em concurso



A 4ª Câmara Cível do TJRS confirmou sentença que acolheu mandado de segurança impetrado pela advogada Mônia Masochi Frizon, que se considerou prejudicada por erros na prova do concurso promovido pela Companhia Riograndense de Saneamento do Estado (Corsan).

Ela não conseguiu anular, em âmbito administrativo, três questões que suscitavam respostas diferentes daquelas apontadas no gabarito. Por isso foi ao Judiciário, onde teve sucesso parcial.

O juiz Eduardo Kothe Werlang, da 11ª Vara Cível de Porto Alegre, reconheceu que houve erro grosseiro em uma questão sobre Direito Constitucional.

O relator da apelação da Corsan, desembargador Eduardo Uhlein, também reconheceu que, ‘‘em se tratando de prova objetiva, em que o candidato não pode justificar seu raciocínio e que, por óbvio, admite apenas uma única resposta, a existência de erro de grosseiro, capaz de trazer dúvida sobre o seu enunciado e comprometendo sua solução, deve ser resolvida em favor dos candidatos, tornando-a nula’’.

Com a confirmação da decisão de primeiro grau, a advogada conseguiu o recálculo da sua pontuação, com a consequente reclassificação na ordem final do concurso.

Em nome da autora, atuou seu colega advogado Vagner de Lima Machado. (Proc. nº 70065980591).

Eis o enunciado da questão (nº 53) impugnada:

É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

a) instituir impostos sobre o patrimônio, a renda ou os serviços, uns dos outros, não sendo extensiva às autarquias e às fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços vinculados a suas finalidades essenciais ou às delas decorrentes.

b) cobrar tributos antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou.

c) estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos federais, ressalvada a cobrança de pedágio pela utilização das vias conservadas pela iniciativa provada.

d) instituir taxas sobre patrimônio, renda ou serviços uns dos autos.

e) instituir impostos sobre patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social sem fins lucrativos, atendidos os requisitos do decreto regulamentador”.

O gabarito oficial apontou a assertiva “e” como correta.

Sentença e acórdão reconheceram que tal opção “colide frontalmente com texto literal da Constituição Federal de 1988”, conforme art. 150, VI, ‘c”, a gerar erro grosseiro, a saber:

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

(...) VI - instituir impostos sobre: (...) c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei.

Segundo o TJRS, “tratou-se de erro material grosseiro, capaz de afetar a veracidade da assertiva posta em questão objetiva”, levando os candidatos à perplexidade. 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

O dramático depoimento da vítima de estupro

 

O dramático depoimento da vítima de estupro

Na audiência de ação penal em que é buscada a persecução de um homem acusado de estupro, a defesa do réu lança uma indagação desrespeitosa e inoportuna: “Gostaria que fosse perguntado à ofendida se ela sentiu prazer e alcançou o orgasmo no momento do fato”.

Montagem EV sobre foto Camera Press

Calendário eleitoral e adiamento das eleições

 

Calendário eleitoral e adiamento das eleições

“Aqueles que no passado foram enquadrados na inelegibilidade da Lei da Ficha Limpa, nas hipóteses cujo prazo de 8 anos venceria em 7 de outubro de 2020, estariam inelegíveis para o pleito deste ano. Com a prorrogação, porém - já que as eleições ocorrerão em novembro - estarão liberados para concorrerem. Até porque a inelegibilidade não pode perdurar indefinidamente...”

Imagem: Freepik

“Eu não sou a minha irmã”

 

“Eu não sou a minha irmã”

 

  • São presumidos os danos morais sofridos pela mulher que foi processada e presa como se fosse... a própria mana.
  • Mas a indenização a ser paga pelo Estado do RS será de apenas R$ 10 mil.
  • As frases das redes sociais de um grupo de 40 advogados que está com saudade de ir ao fórum...
  • A debênture milionária com que Eike Batista quer garantir os R$ 800 milhões de sua delação premiada.
  • Bolsonaro pede ao filho Carlos que poupe o Judiciário.

A vida nem sempre foi justa com Martha Rocha

  • Eleita a segunda mulher mais bonita do mundo em 1954, antes de completar seu 4º ano de casamento, ela perdeu o marido num acidente aéreo.
  • “Abra a porta, senão vamos arrombar!”. Uma diligência com 20 anos de atraso no apartamento do produtor Daniel Filho, ex-global.
  • Uma raridade: sentença rápida, 60 dias depois do ajuizamento, numa ação monitória em São Francisco de Paula (RS).
  • Entre políticos e empresário, uma reunião para decidir a “sucessão” da propina.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Luz alta nos Conselhos Profissionais

 

Luz alta nos Conselhos Profissionais

O que o acórdão do TRF-4 que condenou o CREMERS pode estar sinalizando em relação às decisões corporativas, das entidades que congregam médicos, advogados, engenheiros... Inclusive para a própria OAB, onde muitos processos ético-disciplinares não tiveram soluções práticas porque alcançados pela prescrição.

Foto de Marcos Oliveira/Agência Senado.

Sentença nega repatriação de 176 mil francos suíços para a conta de Claudia Cruz

 

Sentença nega repatriação de 176 mil francos suíços para a conta de Claudia Cruz

  • A sentença argumenta que - embora ela tenha sido absolvida na ação penal por lavagem de dinheiro e evasão de divisas - o dinheiro tinha origem ilícita: era parte da propina paga a Eduardo Cunha.
  • A certidão de casamento rasgada ao meio: solução para marido e mulher toscos que não mais queriam ficar casados.
  • Apresentadora de tevê pagará indenização de R$ 30 mil para a cantora Ludmila, por comparar seus cabelos com esponjas de Bombril.