Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 7 de julho de 2020.

Aprovação em concurso público permite antecipar colação de grau



A autonomia concedida às universidades para conferir graus e diplomas a seus alunos e estabelecer o cronograma para os atos não pode impedir um estudante de assumir vaga de emprego. A decisão é da 6ª Turma do TRF da 2ª Região (RJ) para garantir a um aprovado em concurso público a colação de grau antecipada.

Aluno do curso de Direito, ele preenchia todos os requisitos curriculares exigidos e, por ter sido aprovado em concurso público, não podia aguardar o cronograma oficial da instituição de ensino superior.

A antecipação da colação de grau foi concedida em primeira instância pela 27ª Vara Federal do Rio de Janeiro. A decisão motivou recurso junto ao TRF-2, que manteve o entendimento.

Segundo o julgado, apesar de o artigo 207 da Constituição Federal e o artigo 53 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (nº 9.394/96) assegurarem às universidades autonomia didático-científica para conferir graus e diplomas a seus alunos, isso não justifica “impedir, sem forte motivo, a antecipação da colação de grau e, consequentemente, da expedição de diploma, quando sua realização na data oficial provocar excessivo dano ao ex-aluno”.

O colegiado entendeu que foi demonstrada a aprovação do autor no concurso para o cargo de técnico superior judiciário da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, dentro das vagas previstas.

Conforme o acórdão, “diante do início da convocação dos candidatos aprovados, não seria razoável exigir, como fez a universidade, exigir a demonstração da data precisa da posse no cargo público para antecipar a colação”. (Proc. nº 0009469-13.2014.4.02.5101).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Novas correções em provas de 58 candidatos em concurso para juiz do TJRS

O certame que começou em 2015 - e teve 22 candidatos nomeados e empossados em 2017 – terá novos desdobramentos. Há decisões divergentes entre a 1ª e a 2ª Turmas do STJ. Um dos julgados determina a repetição das provas de sentenças – mas o resultado foi atacado por recurso de embargos de declaração, ainda não decididos.

Professor réu em ação criminal não pode assumir cargo público

Ele foi aprovado em certame para “assistente de alunos”. Mas tem uma condenação – sem trânsito em julgado – por tráfico de drogas. O TRF-4 considerou que “a precaução com o interesse público deve prevalecer frente ao interesse do particular”.

Inclusão da cota racial em concursos para cartórios

O CNJ modifica seu entendimento anterior e permite que os tribunais estaduais adotem a prática, já que têm autonomia para disciplinar editais. Precedente foi criado em certame para cartório de notas e registros de Tocantins.