Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 7 de julho de 2020.

Negado recurso de advogada que buscava nomeação após aprovação em concurso



A 4ª Turma do TRT da 1ª Região (RJ) negou provimento ao recurso ordinário de uma advogada aprovada para o cadastro de reserva em concurso público da Caixa Econômica Federal. Ela buscou provimento judicial para ser contratada em razão de o banco se utilizar dos serviços de escritórios de advocacia.

A decisão, que seguiu, por unanimidade, o voto do relator do acórdão, desembargador Cesar Marques Carvalho, manteve a sentença da juíza Kátia Emílio Louzada, da 54ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro.

Na petição inicial, a advogada Amanda Andrade Souza, que ocupa a 76ª posição na ordem de classificação final do concurso da CEF para o cargo de advogado júnior, alegou que “a estatal promove a terceirização dos serviços advocatícios a escritórios privados, o que feriria o artigo 37 da Constituição da República”.

Para a advogada, “ao contratar precariamente esses serviços, sem que estejam configuradas a excepcionalidade e a temporariedade, a CEF demonstra inequivocamente a necessidade de dispor dos profissionais concursados, o que denota o desvio de finalidade do ato administrativo”.

No caso, a interessada não foi preterida na ordem de convocação, que parou no 16º candidato classificado para o polo Rio de Janeiro.

Segundo o julgado do TRT-1, “não existem elementos que confirmem ter havido preterição na nomeação e na posse dos concursados”. Para o desembargador Marques Carvalho, “apesar de todas as críticas a essa forma de contratação indireta, não compete ao Poder Judiciário apreciá-la, na medida em que cabe ao poder discricionário do administrador (CEF) avaliar a oportunidade do ato de provimento, levando-se em conta não apenas a necessidade de pessoal, mas a disponibilidade de vagas a serem preenchidas".

O acórdão observou que a aprovação da advogada se deu para a formação de cadastro de reserva, o que acarreta, na verdade, mera expectativa de direito por parte do candidato, consistente na possibilidade de poder vir a ser aproveitado. "O deferimento da pretensão da demandante importaria, em última análise, em ultrapassar 60 posições, quebrando a ordem classificatória do certame". (Proc. nº 0010846-34.2014.5.01.0034 – com informações do TRT-1 e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Novas correções em provas de 58 candidatos em concurso para juiz do TJRS

O certame que começou em 2015 - e teve 22 candidatos nomeados e empossados em 2017 – terá novos desdobramentos. Há decisões divergentes entre a 1ª e a 2ª Turmas do STJ. Um dos julgados determina a repetição das provas de sentenças – mas o resultado foi atacado por recurso de embargos de declaração, ainda não decididos.

Professor réu em ação criminal não pode assumir cargo público

Ele foi aprovado em certame para “assistente de alunos”. Mas tem uma condenação – sem trânsito em julgado – por tráfico de drogas. O TRF-4 considerou que “a precaução com o interesse público deve prevalecer frente ao interesse do particular”.

Inclusão da cota racial em concursos para cartórios

O CNJ modifica seu entendimento anterior e permite que os tribunais estaduais adotem a prática, já que têm autonomia para disciplinar editais. Precedente foi criado em certame para cartório de notas e registros de Tocantins.