Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Seguradora terá que quitar financiamento de imóvel após suicídio da proprietária



A Caixa Seguradora terá que quitar o financiamento de um imóvel adquirido por uma mulher que cometeu suicídio. A decisão é do TRF da 4ª Região. O apartamento, localizado em Porto Alegre, será destinado à sua irmã.

O imóvel com seguro foi adquirido por meio de financiamento habitacional junto à Caixa Federal. Em janeiro de 2013, a proprietária – solteira, sem filhos e com pais já falecidos – tirou a própria vida.

A irmã da falecida ajuizou ação solicitando a quitação do financiamento. A CEF (agente financeira) e a Caixa Seguradora apontaram não haver direito em decorrência de a causa da morte ser suicídio e ter ocorrido antes dos dois primeiros anos de vigência do contrato.

A ação foi julgada procedente pela Justiça Federal de Porto Alegre, levando a Caixa a recorrer. No entanto, a decisão foi mantida por unanimidade pela 3ª Turma do TRF-4.

De acordo com a relatora, desembargadora federal Marga Inge Barth Tessler, “o seguro não será concedido antes do prazo de dois anos caso fique comprovado que o suicídio foi premeditado, o que não ocorreu no caso”. (Proc. nº 5017390-61.2015.404.7100 – com informações do TRF-4 e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Google - Imagem apenas ilustrativa

Condômino inadimplente tem direito a usar todas as áreas comuns do prédio

 

Condômino inadimplente tem direito a usar todas as áreas comuns do prédio

O morador que esteja com as mensalidades do condomínio em atraso não pode ser impedido de usar as áreas comuns do prédio, como piscina, churrasqueiras, brinquedoteca, salão de festas ou elevadores. Caso julgado nesta terça-feira (28) pelo STJ envolve uma dívida de R$ 290 mil e as dificuldades da condômina proprietária: seu cônjuge foi vítima de latrocínio.

Interpretação extensiva da penhorabilidade do bem de família

TJRS reforma sentença que reconhecera a impenhorabilidade. Acórdão estabelece que “consistindo o título extrajudicial em contrato para a edificação de casa de alvenaria onde vieram a residir os executados - que inadimpliram o preço do serviço prestado – é possível a constrição judicial do bem”.

Desistência motivada da compra de imóvel

STJ decide não ser devida a comissão de corretagem quando o negócio não é concluído por desistência de uma das partes, em decorrência da falta de apresentação das certidões da moradia . Caso é oriundo de Porto Alegre.

Cuidado no prazo!

A prescrição para que um mutuário do Sistema Financeiro da Habitação requeira a cobertura da seguradora em contrato de financiamento é de um ano, segundo decisão do STJ.