Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Baixo nível eleitoral



No auge da descrença da sociedade brasileira com a política, partidos deixam ideologias e propostas de lado e apostam em brincadeiras de mau gosto. Ao colocarem em vigor novas regras, as autoridades eleitorais esperavam ter um respiro nos velhos hábitos da política brasileira.

Enganaram-se. A redução do tempo de rádio e televisão e o fim do financiamento empresarial não aplacaram práticas responsáveis por contaminar o nível e os costumes.

O PSDB mineiro, por exemplo, deixou uma postulante (Ana Paula Teodoro Mendonça) a vereadora em Contagem (MG) aderir ao nome de “Paula Tejano”. A cacofonia dos últimos dois nomes dá margens a brincadeiras.

É similar ao que ocorre em Aracaju (SE), onde o nanico PHS dá palanque para que o motoboy André da Fonseca incorpore o personagem Chapolin e repita, fantasiado, bordões da série.

E em Santos (SP), o PP tenta pegar carona na Lava Jato: fez de José Afonso Pinheiro, o zelador do tríplex de Lula no Guarujá, um caça-votos para cadeiras no Legislativo.

Farão companhia a esses aí de cima, outros candidatos inusitados, como “Hélio Quebra Bunda”, em Cachoeira (BA), “Xereca” em Mongaguá (SP), “Nojo” em Parnaíba (MS) e “Vin Diesel Curitibano” na capital paranaense.

E a esteticista Risolene de Lima Macedo (PPL) acredita que seja o seu caso. Com o nome “Riso Sempre Riso”, ela concorre a uma vaga de vereadora em Igarassu (PE).

A propósito

Em muitos casos, os nomes pitorescos afrontam a lei. Uma resolução TSE estabelece limites aos candidatos. É necessário que a alcunha escolhida “não atente contra o pudor e não seja ridícula ou irreverente”.

Mas do teor da norma ao cumprimento dela, há uma distância oceânica. Resta repetir que, assim, a classe política dificilmente conseguirá resgatar a credibilidade junto à sociedade.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sem Senado, só OAB!

O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, põe fim à indecisão: desiste de concorrer a senador. “Não tenho como deixar a Ordem neste grave momento nacional” – diz.